Mostrando postagens com marcador Tecnologia. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Tecnologia. Mostrar todas as postagens

sábado, 20 de outubro de 2012

ALEMANHA Apps auxiliam ciclistas europeus a encontrar os melhores caminhos


Softwares para telefones celulares dão informações sobre as melhores rotas e caminhos em várias cidades europeias, além de informar sobre hotéis, restaurantes e pontos turísticos.
Na Europa, a bicicleta é muito usada não somente na locomoção diária, mas também nas férias. O continente possui uma malha de ciclovias que liga vários países. Por exemplo, a ciclovia R1 liga Bolonha-sobre-o-mar, na França, a São Petersburgo, na Rússia, passando por Bélgica, Holanda, Alemanha, Polônia, Lituânia, Letônia e Estônia.
Nesse contexto, a tecnologia é muito útil para quem deseja conhecer novos lugares pedalando. Vários apps (softwares para smartphones) foram desenvolvidos para orientar os ciclistas. Um deles é o Brandenburg App, oferecido pela agência de turismo do estado alemão de Brandemburgo.
Este app auxilia no planejamento de rotas nas ciclovias do estado, além de informar sobre hotéis, restaurantes e pontos turísticos. "Brandemburgo é um estado que possui uma grande malha de ciclovias. Além disso, tínhamos muitas informações sobre hotéis e restaurantes. Resolvemos juntar essas duas coisas e, e aproveitando a tecnologia dos smartphones, desenvolvemos o app", conta Janes Huff, gerente do projeto.
O Brandenburg App funciona até mesmo quando o usuário não está conectado à internet. "Os mapas podem ser baixados no celular e, com ajuda do sistema de localização GPS, o usuário pode se orientar durante o passeio", explica Huff. O app está disponível desde junho de 2012 e pode ser baixado gratuitamente.
De bicicleta pela cidade
Outro app bem interessante é o BikeCityGuide. Ele foi desenvolvido para 24 cidades da Alemanha, Suíça e Áustria e indica os melhores caminhos para quem está pedalando, traçando assim rotas mais seguras e mais curtas para os ciclistas.
"A ideia do BikeCityGuide surgiu quando dois ciclistas estavam passeando de bicicleta em Budapeste, uma cidade que eles não conheciam, e pensaram que seria muito interessante ter um de guia de rotas e pontos turísticos desenvolvido por quem anda de bicicleta para quem anda de bicileta", explica Peter Fötsch, o porta-voz do BikeCityGuide.
As rotas do app são fornecidas por ciclistas profissionais: os mensageiros que fazem entregas de bicicleta. Além disso, o programa disponibiliza rotas turísticas para quem deseja conhecer alguma das 24 cidades. “Procuramos sempre trabalhar em parceira com as cidades para quais os apps são desenvolvidos”, diz Fötsch. Os ciclistas são guiados por meio de mensagem de voz que indicam o caminho que eles podem seguir, assim como nos sistemas de navegação de automóveis, muito comuns na Europa.
Para quem se interessou, os links para baixar os apps estão abaixo.
Autora: Clarissa Neher
Revisão: Alexandre Schossler

quinta-feira, 11 de outubro de 2012

NOVIDADE: YouTube introduz televisão temática na Alemanha

Com doze canais temáticos, a plataforma de vídeo do Google, o Youtube dará início na Alemanha a um modelo de televisão segmentada por temas. De acordo com a companhia, os chamados canais originais incluirão temáticas dedicadas a automóveis, comédia, entretenimento, saúde e esportes e não deverão competir com os canais de televisão estabelecidos, mas  sim ocupar lacunas e oferecer outros conteúdos que não “funcionam” na televisão convencional. O início das transmissões está previsto para o fim do ano.

Segundo Robert Kyncl, responsável pelos conteúdos nos canais do YouTube, a iniciativa conta com um investimento de 100 milhões de dólares e tem como principal objetivo servir aos interesses dos usuários por meio de canais temáticos bem definidos e, na medida do possível, direcionados a um público específico. Com a vantagem de disponibilizar conteúdo imediatamente em todo mundo e assim reduzir custos e riscos em comparação com a televisão convencional, o YouTube espera atrair anunciantes dos programas de televisão afins.

“Levando em conta o auge da internet, acreditamos que, até o ano 2020, aproximadamente 75% de todos os conteúdos de vídeo serão difundidos via internet”, disse Kyncl. “Dentro de alguns anos, 90%do fluxo de dados na internet serão em vídeo”, completou.
 
Um dos canais programados para Alemanha se chama Heartbeat Berlin (“Batida de Berlim”) e conta com a participação da produtora UFA. O canal vai informar, entre outros assuntos, sobre as tendências na capital alemã e questões relacionadas com o espírito da época. Outro canal será Ponk, produzido pela empresa Mediakraft Networks, de Colônia, cuja temática vai girar em torno da comédia.

quarta-feira, 10 de outubro de 2012

SMARTPHONES: É cada vez maior o número de usuários na Alemanha


Smartphones substituem cada vez mais os telefones convencionais. Na Alemanha, país em que 89% dos cidadãos com idade superior a 14 anos utilizam telefone celular, 38% dos integrantes do mesmo grupo possuem tal dispositivo. No início deste ano, a taxa era de 34%.

De acordo com previsões do Instituto de Pesquisa de Mercado EITO cerca de 23 milhões de smartphones deverão ser vendidos na Alemanha. Comparado ao ano passado, o número representa um aumento de 43% nas vendas. Ainda segundo o EITA, cerca de 70% de todos os celulares vendidos este ano serão smartphones, com preço médio de 342 euros.

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

BRASIL Justiça brasileira manda YouTube apagar vídeo ofensivo a Maomé


Juiz atende pedido de organização islâmica, que havia entrado com ação contra a Google Brasil, proprietária do YouTube. Em outro caso, Justiça Eleitoral ordena detenção de presidente da empresa.

A Justiça de São Paulo determinou nesta terça-feira (25/09) que o portal YouTube deve retirar da sua oferta todos os vídeos que contenham cenas do filme Inocência dos Muçulmanos, que os muçulmanos consideram ofensivo ao profeta Maomé.

Segundo o Tribunal de Justiça de São Paulo, o YouTube tem dez dias para retirar todos os vídeos. A multa por descumprimento da sentença é 10 mil reais por dia.

Com a decisão, a Justiça atendeu pedido da União Nacional das Entidades Islâmicas (UNI), que havia entrado com uma ação contra a empresa Google Brasil Internet, proprietária do site. Um segundo pedido da UNI, para impedir a reinserção dos vídeos, foi negado pela Justiça.

Ordem de prisão

A Justiça brasileira também ordenou a detenção do presidente da Google no Brasil, Fabio José Silva Coelho, por a empresa não ter retirado da internet alguns vídeos considerados ofensivos a um candidato às eleições municipais de outubro.

Para o Tribunal Eleitoral Regional de Mato Grosso do Sul, o presidente da Google cometeu o delito de "desobediência" ao não retirar do Youtube dois vídeos considerados caluniosos. O vídeo continha "calúnias, injúrias e difamações" a um candidato à Câmara Municipal de Campo Grande, de acordo com as autoridades eleitorais.
AS/ots/lusa/afp/rtr
Revisão: Marcio Damasceno

Robôs humanoides saem da fábrica prontos para aprender


Tarefas com diferentes graus de complexidade podem ser programadas nos robôs Nao por meio do controle de ferramentas que simulam visão, audição e fala. Modelos podem até ser ensinados a reconhecer emoções humanas.


Os pequenos robôs Nao podem ser programados para fazer muito mais do que jogar futebol, como oFuturando mostrou no último programa. Mais de 450 universidades ao redor do mundo fazem pesquisas usando o simpático humanoide de 57 centímetros produzido pela empresa francesa Aldebaran, que oferece modelos com diferentes configurações, dependendo da finalidade. A partir dos recursos tecnológicos disponíveis, cada grupo de pesquisa desenvolve diferentes funcionalidades para o Nao.

O projeto atende focos como pesquisa, educação, desenvolvimento, shows e competições. Os modelos do Nao saem da fábrica prontos para serem programados. Iniciantes em robótica conseguem ensinar os primeiros passos ao humanoide com a ajuda de um software que gera os comandos a partir de uma interface gráfica simples. Já os mais experientes escolhem linguagens de programação que se comunicam diretamente com a máquina ou podem, até mesmo, instalar um novo hardware.

Qualidade em hardware


Quanto mais avançados forem os conhecimentos dos usuários, mais autonomia adquirem sobre cada uma das ferramentas do Nao: visão, processamento de áudio, controle, planejamento, navegação e outras rotinas podem ser programadas individualmente. Só na locomoção, mais de 3 mil variáveis podem ser alteradas por programas em C++ ou Phyton.

O modelo mais recente, o Nao Next Gen, possui como cérebro um processador interno de 1,6 GHz, com Linux, capaz de processar com alta velocidade as imagens captadas por duas câmeras de alta definição que funcionam como olhos para o humanoide. Além disso, possui uma segunda CPU no torso.

A rede de sensores conta ainda com quatro microfones, sonar, emissores de infravermelho, sensores táteis e de pressão. Para comunicar-se, o robô foi equipado com um sintetizador de voz, luzes de LED e dois alto-falantes de alta fidelidade.

Uma bateria de 27,6 watt-hora garante 1,5 hora de autonomia. "Neste novo modelo há funcionalidades como um controle inteligente de torque, um sistema de prevenção de colisões, um algoritmo de caminhada melhorado e mais. Usamos nossa experiência e o retorno dos consumidores para construir uma plataforma mais eficiente", disse o fundador da empresa, Bruno Maisonnier, por ocasião do último lançamento. Mais de 2,5 mil unidades do Nao já foram vendidas para 60 países.
Diferentes modelos


Para levar para casa um robô da Aldebaran é preciso investir 32 mil reais. Mas modelos mais simples, como robôs controláveis por meio de plataformas Arduíno, podem custar menos de 1000 reais. Outros robôs da empresa são mais brinquedos do que ferramentas de trabalho. Modelos de mesa – que apenas se deslocam para a direita e esquerda, para frente e pra trás - podem ser controlados por um aplicativo instalado no telefone celular.

O próprio Nao pode fazer o papel de um brinquedo. Em feiras e eventos, um grupo de humanoides pode ser programado para dançar uma coreografia. Nas universidades, no entanto, a busca é por outro tipo de movimento. Pesquisadores da Academia de Ciências de Shenzhen, na China, usam o Nao como plataforma de pesquisa para testar seus algoritmos de controle de inteligência artificial.

Além disso, com a ajuda de um leitor de movimentos de videogame adaptado, fazem o humanoide imitar a forma como uma pessoa se move para melhorar a velocidade de resposta e a capacidade de equilíbrio da máquina.
Interação e reações em foco

Na Universidade Albert-Ludwig de Freiburg, na Alemanha, o Nao ganhou uma cabeça equipada com laser e serve de objeto para um pesquisa complexa de navegação em ambientes internos. Como descrevem os pesquisadores, isso inclui localização 3D e o percurso por ambientes com diferentes níveis e obstáculos, como escadas e rampas.

Nos Estados Unidos, os humanoides estão sendo usados pela Universidade do Kansas como auxiliares no cuidado com idosos. Os robôs oferecem entretenimento como filmes, clips de TV e notícias. As imagens são projetadas em diferentes superfícies. Os robôs devem monitorar a reação dos pacientes, medindo suas respostas emocionais em conversas, para sugerir novas atividades.

As interações sociais também são alvo de pesquisa na Universidade de Augsburg, na Alemanha. Mas, desta vez, no Neo não deve ser apenas capaz de entender seus interlocutores em uma simulação de convívio. Os pesquisadores programaram o robô para expressar oito diferentes reações emocionais – como raiva, tristeza, medo, alegria, etc – que combinam movimentos de corpo, sons e as cores nos olhos.

Para os cientistas, trata-se de uma ferramenta fundamental para a comunicação entre homem e máquina, uma vez que a expectativa é a de que os robôs se tornem presença cada vez mais comum em diferentes situações cotidianas.
Autora: Ivana Ebel
Revisão: Roselaine Wandscheer

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Irã bloqueia acesso ao Gmail


Autoridades afirmam que bloqueio a serviços da empresa americana Google atende a "reiterados pedidos por parte da população". Serviço de busca também é parcialmente bloqueado.

O governo do Irã bloqueou o acesso ao serviço de correio eletrônico do Google, o Gmail, nesta segunda-feira (24/09), num esforço para estabelecer uma rede interna isolada da Internet. Também o acesso à página de buscas do Google foi parcialmente restrito. A versão bloqueada é a que usa o protocolo HTTPS (https://www.google.com).

O bloqueio foi anunciado numa mensagem enviada por telefone celular que citava Abdolsamad Khoramabadi, conselheiro do gabinete do procurador-geral iraniano e secretário de um grupo oficial encarregado de detectar na Internet conteúdos considerados ilegais.

"Devido a reiterados pedidos por parte da população, o Google e o Gmail serão filtrados em nível nacional. Eles permanecerão filtrados até nova ordem", informava a mensagem.

A página do Google que monitora o acesso aos seus serviços em cada país não refletiu imediatamente o bloqueio, mas residentes em Teerã relataram à agência de notícias AFP que não conseguiam entrar nas suas contas do Gmail, a não ser que usassem recursos para burlar a proibição, como softwares VPN (virtual private network).

O sistema VPN é geralmente usado por iranianos para contornar a censura do regime na Internet, mas a largura de banda dessas ligações é muitas vezes limitada e às vezes cortada.

O Gmail é usado por muitos empresários iranianos para se comunicar e para compartilhar documentos com empresas estrangeiras.

As autoridades iranianas já haviam cortado temporariamente o acesso ao Google e ao Gmail em fevereiro de 2012, às vésperas das eleições legislativas de março.

O serviço de partilha de vídeos do Google, o YouTube, tem estado sob censura desde meados de 2009, na sequência de protestos e denúncias de fraude eleitoral na eleição que deu a vitória ao presidente Mahmoud Ahmadinejad. Redes sociais como o Facebook e o Twitter também são regularmente bloqueadas.

O Irã prepara a sua rede nacional, que deve ser livre de conteúdo não islâmico. As autoridades dizem que ela será mais rápida e mais segura, mas os dados dos utilizadores serão mais facilmente sujeitos a monitoramento.

RO/lusa/afp
Revisão: Alexandre Schossler

domingo, 23 de setembro de 2012

O novo recorde da Apple



A Apple bateu um novo recorde na bolsa depois de ter revelado o seu último smartphone. A companhia recebeu mais de dois milhões de encomendas nas primeiras 24 horas, ou seja, vendeu três iPhones todos os dois minutos. Será que a Apple vai bater a rival com o seu último modelo? Abordaremos a questão com Mark Priest, do ETX Capital.

Nesta edição falamos também da crise em Espanha, onde o governo tem de lidar com problemas financeiros e políticos, e dos problemas dos construtores automóveis na Europa.

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Microsoft vence Google em tribunal da Alemanha



A Google sofreu mais uma derrota em sua batalha de patentes no exterior contra a Microsoft. Um tribunal alemão decidiu que diversos tablets e smartphones fabricados pela divisão da Motorola Mobility infringiram uma patente da Microsoft e garantiu à gigante dos softwares a proibição das suas vendas no país germânico. A Microsoft deverá pagar 61,4 milhões de dólares como caução para ver a proibição implementada.

A patente em questão é relacionada à entrada de texto que cobre “um método para lidar com a comunicação entre um teclado e uma aplicação”. A Microsoft alega que a funcionalidade foi inserida dentro do Android, e não especificamente em aparelhos da Motorola.


O reduto solitário da Google



A razão pela qual a Microsoft não processou as outras fabricantes (como HTC e Samsung) é porque elas concordaram em licenciar a função. A partir de agora, a Google poderá seguir dois caminhos: ou promove alterações no Android – para evitar novas violações – ou concorda em pagar os royalties que a Microsoft exige.

A Microsoft se diz muito satisfeita com o resultado da sentença, a terceira a seu favor contra o Google na Alemanha. Dave Howard, consultor jurídico da empresa, afirma que a Microsoft vai continuar a aplicar as medidas inibitórias contra os produtos da Motorola na Alemanha, “na esperança de que a empresa se junte aos outros fabricantes de dispositivos Android, tendo uma licença para invenções patenteadas pela Microsoft”, conclui.

De acordo com o site de notícias AllThings D, a Google está aguardando a decisão por escrito para avaliar suas opções, incluindo uma apelação.
Fonte: PCMag , AllThings D

INTERNET Facebook dobra acentuadamente



Os protestos da protecção de dados contra o reconhecimento automático de rosto foram lançados enorme e bem: o Facebook rede sobre esse recurso na UE a partir de agora. Ações adicionais, como os EUA seguiram, poderia.

O ataque principal veio da protecção de dados na Irlanda, onde o Facebook tem seu Hauptniederlasung na Europa. Como um gesto de submissão à afirmação lê a rede online de Berlim, que vai continuar a trabalhar com a autoridade reguladora europeia na Irlanda ", para assegurar que estão em conformidade com a lei europeia de Protecção de Dados continuar." Quantas vezes antes tinha tentado ignorar reclamações e queixas simplesmente ... Não obstante Einlenkens do Facebook, por exemplo, o Ministério Federal de Defesa do Consumidor falou de uma "acusação" do grupo.

Os defensores da privacidade na Europa comemorar o sucesso: os serviços de Internet sociais dos Estados Unidos vai parar o reconhecimento facial de usuários na Europa e quer 15 Outubro excluir todos os perfis de usuários criados anteriormente. Até agora, os dados biométricos capturados por fotos, as mesmas pessoas vistas em outras fotos automaticamente.

Só com o consentimento expresso
A protecção de dados de Hamburgo oficial Johannes Caspar tinha na sexta-feira emitiu uma ordem para desencorajar Facebook, captura biométrica sem um entendimento claro dos usuários. Além disso, ele pediu que os usuários são informados em detalhes sobre os riscos de reconhecimento facial automático. O "print face" de milhões de membros montar um grande risco e potencial para abuso, assim Caspar.

Facebook não forneceu dados sobre como e quando a marca na Europa poderia ser reintroduzido.Esperava-se que eles poderiam fazer os "grandes utilitários" Os europeus também disponível novamente, o networker. Facebook Buscando abordagem einheiltichen, informar a todos os usuários sobre cada recurso.
SC / GMF (Reuters, AFP, Reuters)

Tecnologia BlackBerry com apagão


Apenas para o lançamento do novo iPhone da Apple 5 é a investigação já doente rival em Movimento apresenta-se no pé: o serviço de smartphones BlackBerry não estavam funcionando. Novamente.
Um ano após as quedas de um dia inteiro de serviços BlackBerry, veio novamente a perturbações. Isso usuários afetados na Europa, Oriente Médio e África. Desde a manhã de sexta-feira, eles não poderiam enviar e-mails ou navegar na Internet. Na parte da tarde, a Pesquisa fornecedor BlackBerry anunciou in Motion (RIM), claro. Todos os serviços foram de volta ao normal, disse a empresa, e pediu desculpas aos seus clientes.

A perda veio como RIM concebível inapropriado: Enquanto os clientes do BlackBerry foram deixados alto e seco, milhares invadiram as lojas e os fãs da Apple para um novo iPhone ultrapassou 5 No entanto BlackBerry está lutando com as quotas de mercado em declínio e vermelhas. Além do iPhone, os telefones Android são os maiores concorrentes do pioneiro smartphone.

Falhas antes já um ano
Um ano atrás, alguns usuários foram cortados por dias de seu e-mail e outros serviços. Os serviços do BlackBerry estão em execução em centros de dados proprietários. Isso faz BlackBerrys enquanto particularmente seguro contra sniffing ataques de fora, mas também vulnerável, se você encontrar quaisquer problemas técnicos. Os telefonemas ou envio de SMS, por outro lado é executado diretamente através das redes dos operadores móveis.
RIM, a empresa já dominou o mercado de smartphones, mas agora cada vez mais a perder quota de concorrentes como Apple e Samsung. De acordo com analistas, a mãe BlackBerry lutando para sobreviver. Em junho, a empresa anunciou para remover 5.000 empregos. Este é um terço de todos os funcionários. Além disso, o lançamento do BlackBerry 10 a partir do final de 2012 foi adiada para o início de 2013. Assim, a RIM não pode se beneficiar do importante época de festas.
ul / sc (dpa, AFP)

quinta-feira, 20 de setembro de 2012

Roteador sem fio como rádio de emergência


O que fazer se deixar de crises todas as redes móveis - e, portanto, a comunicação?Pesquisadores da TU Darmstadt propor a utilização de roteador sem fio privada.
Em tempos de crise, bombeiros, polícia e os cidadãos estão mais do que nunca dependente de redes de comunicação - especialmente em redes móveis. O problema: Mesmo assim, eles muitas vezes não funcionam.

Mesmo as redes que são as catástrofes naturais ou acidentes graves podem e não mais tarde, então, dar a sua mente quando muitas pessoas simultaneamente, tentando chegar ao centro ou a família.

Assim, os pesquisadores da Universidade Técnica de Darmstadt têm investigado a possibilidade de criação de uma rede de comunicação de crise, o que automaticamente coloca em áreas urbanas densamente povoadas no roteador sem fio privada - a operação piggyback chamado.

Amplamente disponível

"As equipes de resgate poderia ajudar em áreas de desastres, para manter contato com a população e unidades centrais de coordenação, mesmo que antenas de telefonia móvel serão afetados", Kamill Panitzek, um dos pesquisadores diz no Laboratório Telecooperation (CT) da Universidade Técnica de Darmstadt. Os resultados dos estudos da equipe de Panitzeks publicado em breve no Jornal Internacional de Design e Inovação da rede móvel.

Roteadores de Internet estão agora disponíveis em muitos países, em grande número. Isso equipe os serviços de emergência em uma cidade de pequeno porte - como Darmstadt, com cerca de 142.000 habitantes - uma pitada de torneira em sinais sem fio, os investigadores disse à Deutsche Welle.

WLAN conexões torneira

Para testar a viabilidade da sua idéia, Panitzek e seus colegas marcharam através de uma metade da área de um quilômetro quadrado da cidade e capturado, as posições dos sinais roteador local. Com um aplicativo de smartphone que acompanhou as redes, eles gravaram os dados de 1.971 roteadores - sempre garantir o cuidado de não violar os direitos de privacidade.

"Dos 212 encontrados roteadores público ou não criptografadas", observou o especialista. No centro da cidade havia roteadores suficientes para formar uma rede de particulares roteadores sem fio, paralelas ao PSTN. A única condição: o roteador tinha um raio de 30 metros um do outro e os sinais de ser suficientemente forte.

Em tal rede recebe e transmite dados próprios de cada nó de rede e também actua como uma estação de retransmissão para os dados de outros nós da rede.

Tão poderoso tapete em rede do roteador sem fio, os pesquisadores Darmstadt poderia permitir que o socorrista pegar carona com smartphones ou tablets para fazer login em redes privadas. "Os socorristas poderia, então, acessar esta infra-estrutura para se comunicar uns com os outros e com o centro de comando", explica Panitzek.

Práticas de redes de hóspedes
Ao invés de criar uma nova infra-estrutura para emergências, você já pode se adaptar casa existente e roteadores de escritório com um interruptor de emergência, sugere o grupo de peritos. "Se a chave é virada, poderia permitir que o roteador auxiliar no modo de emergência", diz Panitzek. Ajudante da primeira hora seria uma boa ligação à Internet, mesmo quando a rede móvel oficial é zusammenbebrochen.

Panitzek está convencido de que o sistema não viola a privacidade dos usuários e seu acesso iria bloquear sua própria rede. A maioria dos roteadores possuem um recurso de hóspedes, que permitem que os visitantes a usar a rede Wi-Fi gratuito.

Alternativa: banco de dados de senha

Faça uso da infra-estrutura existente é uma boa idéia, diz Shimon Scherzer, co-fundador do WeFi operador móvel, porque para instalar caro e especial roteador sem fio para bombeiros e polícia, e foi muito mais caros para operar. Proposta Scherzer: As empresas de telecomunicações podem oferecer um aplicativo para download que permite que operadoras de telefonia celular para enviar de forma segura para suas senhas de roteador a um provedor central.

"Se eu quiser aderir a esta rádio de emergência, que pode passar de forma voluntária e em condições de segurança e minha senha". Para os consumidores e os operadores de rede seria a versão mais barata, diz Scherzer, também garantir que a função de emergência "só seria ativada e usada quando necessário."

Em outros lugares, os pesquisadores estão testando a tecnologia Wi-Fi para construir redes paralelas: Em um projeto-piloto em Nova York no mês passado, 10 telefone celular atualizado nos bairros de Manhattan, Brooklyn e Queens em Wi-Fi hotspots. O governo da cidade pretende estender o projeto a todos os 12.000 telefones municipais: de Nova York e os 50 milhões de visitantes para a cidade estão a ser ligado com ele. Similar aos planos de pesquisadores dos hotspots Darmstadt todo o país, então a equipe de emergência que facilitaria o acesso às comunicações móveis.

O telefone móvel como um tesouro



Sempre funcional e móvel: o telefone móvel é a arma universal do futuro - em qualquer lugar do mundo. Sem saber, cerca de cinco bilhões de pessoas utilizam diariamente uma memória pequena commodity.

Spice metais, matérias-primas são conhecidos que permitem que as muitas características de um telefone celular. Embora haja apenas traçar elementos deste telemóvel por Especiarias - na massa, mas se reúnem grandes quantidades. Contudo, as matérias-primas são cada vez mais escasso e, portanto, mais caras. Por que é assim? E onde estão as matérias-primas para as tecnologias do futuro? Aqui estão as respostas.

"Você tem que confiar muito neste hergibt terra tanto quanto nós precisamos", resume Armin Reller, professor de estratégia da Universidade de Augsburg recursos, por muito tempo considerada a auto-compreensão dos negócios e da ciência. "Aqui vemos claramente o limite." Disponibilidade limitada há limites para o crescimento - como indústrias inteiras contar com os recursos tecnológicos.


Sem lítio carro elétrico não vai, não, não há células solares e de índio sem terra rara da China controlada não moinho de vento. Novas possibilidades de adquirir a ela - caso contrário a abstinência é o dogma de modernas sociedades de consumo.

Eficaz do que a mineração
Uma forma de reposição é a reciclagem: por exemplo, colocar em uma tonelada de telefones móveis até 300 gramas de ouro - as empresas de mineração cavar através de uma tonelada de rocha para apenas um grama do metal precioso. Mas mais utilizados telefones móveis quer acabar nos mercados em África e na América Latina, no lixo, ou desaparecer nas gavetas internas.

Mesmo o auto-proclamado campeão de reciclagem Alemanha tem problemas para desenvolver um sistema de separação eficaz para dispositivos móveis. Uma idéia da política: O cliente deve ser feito um depósito compulsório sobre a compra para o dispositivo mais tarde voltar. Mas e depois?

A reciclagem de todos os metais em um telefone celular é para a ciência ea indústria ainda é uma tarefa gigantesca. Dos 35 metais que estão presas em um telefone celular, até agora, apenas uma pequena fração da parte também ser reciclados rentável. Isto é verdade não só para os telefones, mas também laptops, televisores e outros aparelhos eletrônicos - um total de imenso potencial.


Sonho de ciclo recurso absoluta
Uma expansão da produção mundial certamente não é a solução. Muito grande, os aspectos morais - para a extração de matérias-primas é quase sempre à custa das pessoas e do meio ambiente. Pequenos mineradores muitas vezes trabalham em condições miseráveis. Crianças vencer o Congo que é importante para o minério de micro condensadores de tântalo das montanhas, durante uma guerra com as receitas milícias finanças do negócio de tântalo. Na China, o meio ambiente sofre sob os resíduos de produtos químicos resultantes da extracção de terras raras.

Mesmo, portanto, esforçar para instituições de pesquisa passaram a preparar a revolução de reciclagem. Por exemplo, na Universidade Técnica de Hamburgo-Harburg. Aqui explorar Kerstin Kuchta e sua equipe, o reprocessamento do neodymium da terra rara de metal.

O sonho: uma sociedade com suas matérias-primas mantém viva indefinidamente. "Há muito trabalho a ser feito, mas não podemos consumir mais e mais e depois jogar fora o resto." Depois de tudo, seria teoricamente possível, de 80 por cento dos materiais utilizados num telefone móvel para enviar de volta para o circuito de reciclagem. Mas a realidade é diferente - pelo menos não ainda.




África conta com a expansão da rede de fibra óptica


Internet rápida para as principais cidades da África -, os Estados africanos tinham fez o gol e conseguiu. Apesar do sucesso: A grande maioria dos africanos continuam sem acesso à World Wide Web.
Quando perguntado qual os países africanos ainda não está ligado à rede de fibra óptica rápida, deve-se considerar Ali Drissa Badiel longo . engenheiro de telecomunicações O trabalho para a União Internacional de Telecomunicações (UIT), uma agência especializada das Nações Unidas. Seu escritório está localizado em Addis Abeba. Do capital etíope do engenheiro aconselha os países da África Subsariana no desenvolvimento de sua rede de comunicação. "Quase todos os países africanos têm acesso à rede de fibra construir ainda mais , porque a transferência via fibra óptica é muito melhor do que o sistema de microondas de idade que utilizaram antes ", disse o engenheiro em entrevista à DW.

Rápido Internet graças a novo cabo submarino


Antes, era as longas distâncias, a transmissão lenta. Na África sub-saariana foram linhas sobrecarregadas e avarias são comuns. Dois anos atrás, o cabo submarino foi chamado EASSy em operação. Ele corre ao longo da costa Leste Africano e se conecta 21 estados com o resto do mundo - pela primeira vez, países como a Etiópia ou Sudão.Ainda mais poderoso é o novo cabo de fibra óptica de ligação WACS, que está em operação desde maio deste ano. Looping para fora da África do Sul ao longo da costa Oeste Africano e na Europa.

Os cabos submarinos são conectados diretamente, mas apenas os países africanos costeiros. Fazer a transferência para os estados vizinhos no coração. A coordenação assumindo agrupamentos regionais, como a União Económica do Oeste Africano, CEDAO breve."Burkina Faso tem acesso à rede de fibra sobre a Costa do Marfim e Togo, Mali via Senegal, Benin e Níger acabou", conta com ITU-engenheiro Ali Drissa Badiel. Atualmente, apenas um país sem Internet rápida: o novo Estado do Sudão do Sul.

Finalmente ligado com o resto do mundo
Desde que a África tem acesso à rede de fibra, muita coisa mudou: o custo de comunicação caiu e aplicações intensivas de dados, como o Skype, que transmitem imagens ao vivo é o primeiro totalmente operacional. A comunidade da Internet Africano está entusiasmado: "Usamos a rede de fibra óptica, e que a diferença a partir dos links antigos é palpável", disse Musi sobre a Etiópia. "Com a rede de fibra óptica, tudo funciona muito rapidamente. Infelizmente ainda não é generalizada no país." Rueben eo estudante acrescenta: "Muitos estudantes têm agora a oportunidade de operar a partir de seu laptop ou até mesmo a partir de uma pesquisa de telefone celular que nos permite ter uma visão otimista do futuro do nosso país.".

O fornecimento é lento

Tão grande é o entusiasmo - ainda beneficia apenas uma minoria da expansão das estruturas de Internet. Como a rede de fibra óptica não mudou nada. Apenas seis por cento dos usuários da Internet no mundo são da África. Mesmo na Nigéria, o país com o maior número de usuários, duas em cada três pessoas não têm acesso à World Wide Web. O motivo: Apesar dos preços mais baixos, muitas pessoas não podem pagar para navegar na Internet.

Governos também forçados a cobertura não é progresso suficiente. O observados aproximadamente Adbulkader Ibrahim em seu país Nigéria. Os cientistas ambientais que trabalham no Abubakar Universidade Tafawa Balewa em Lagos: "O nosso provedor de telecomunicações ainda está ocupado tentando mover a conexão com o cabo de fibra óptica em todo o país a Nigéria é um país grande, e leva tempo até que esteja totalmente conectado à rede de fibra .. "

África reage ao cibercrime crescente
Mesmo agora chamar as conexões de dados mais rápidas criminosos na cena: países africanos que lutam agora com fraudes na Internet e roubo de dados. Ao mesmo tempo, aumenta o risco de ataques a sistemas de dados do governo. Não há números exatos não vai, porque os incidentes não são relatados sistematicamente adquirido. Para este fim, alguns países já dependem dos chamados "computadores equipas de resposta a incidentes". Estes grupos de peritos do Estado ajudar a construir estruturas para combater a cibercriminalidade. Treinou as equipes da União Internacional das Telecomunicações e da iniciativa global contra o terrorismo Internet (IMPACT).

No geral, a rede de cabos de fibra óptica ao longo da África está em andamento, mas a meta de cobertura universal com internet rápida é para a maioria dos países ainda está longe. Exceção positiva é Ruanda: O país do Leste Africano está trabalhando duro para tornar a Internet de alta velocidade em todo o país e para todas as pessoas disponíveis. Será um centro de tecnologia da informação em África.

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Amazonenses transformam Fusca 86 em carro elétrico


Três profissionais do Amazonas são responsáveis pela criação de um carro elétrico brasileiro. A equipe reaproveitou um antigo Fusca 86 e adaptou o automóvel com baterias de lítio.

O modelo batizado de “Eco Fusca” é resultado de um trabalho de um ano e meio do técnico em eletrônica, Alfredo Araújo, de seu filho Eduardo Mazzoni, formado em Tecnologia da Informação (T.I.), e do mecatrônico Alex Lopes.

O carro é movido pela energia de 45 baterias de lítio, tem autonomia de 200 km e pode chegar a 160 km por hora. Mazzoni, devido seu conhecimento em T.I., projetou um software onde é possível ter acesso a todos os dados do carro. "Neste software podemos analisar o desempenho e acompanhar a carga das baterias. Quando ele estiver perto de descarregar o programa avisa", disse ao G1.

Mesmo com tanta eficiência neste primeiro projeto, os três desenvolvedores não estão satisfeitos. Constantemente, eles buscam aperfeiçoar a tecnologia, inclusive, algumas ideias serão testadas em breve.

"Está em andamento um projeto que consiste em fazer o teto do carro todo de placas fotovoltaicas, que transformam a luz do sol em energia. Além disso, temos uma ideia para fazer as rodas do carro gerarem energia. Concluídas essas duas etapas, nem será mais necessária a recarga pela tomada", afirmou Araújo, o técnico em eletrônica.




Além do benefício ambiental, o modelo elétrico ainda representa uma economia no bolso. "De acordo com meus cálculos, com aproximadamente R$ 5 de energia elétrica ele faz 160km. Os carros comuns precisam de R$ 35 de gasolina para fazer os mesmos 160km, considerando 12km/litro e o preço de R$ 2,69 o litro", avalia Mazzoni.

Os gastos, tanto a curto, como em longo prazo, parecem realmente mais atrativos. Mazzoni calcula que usando o fusca ecológico em cinco anos o consumidor já economizaria R$ 20.000. "Em 26 anos seriam R$ 15.000 de energia para carregar o Eco Fusca, já o carro comum com 12km/litro, utilizaria R$ 115.440 de combustível, mais manutenção”, afirma.

O custo para adaptar o fusca também teve um orçamento razoável. "A adaptação do Fusca custou algo em torno de R$ 50 mil, e eu creio que para modelos mais atuais esse custo é de aproximadamente R$ 60 mil. Esse valor é alto, se você compara com os carros comuns vendidos no mercado, mas se você pensar bem, este é um carro que se paga sozinho, e este preço ainda é mais em conta que o dos carros híbridos vendidos no Brasil", disse.

As baterias de lítio utilizadas são do mesmo modelo de telefones celulares, com dez anos de vida útil e podem ser recarregadas em qualquer tomada comum de 110V ou 220V.




O projeto do Eco Fusca foi divulgado na internet e, desde então, tem atraído pessoas do Brasil inteiro que querem conhecer o projeto ou pedir orçamento para que também possam adaptar seus carros.

Araújo é otimista em relação aos elétricos. Para ele, daqui a 30 anos a maior parte dos carros será híbrida “e isso vai ser bom para o meio ambiente e até mesmo para a saúde das pessoas", afirma. O próximo passo é testar o projeto em outros veículos.

"Se tivermos investimento, podemos começar a trabalhar no projeto da Eco Lancha, que beneficiaria quem precisa se locomover pelos rios da Amazônia, e da Eco Moto, que já criamos mas ainda não tivemos a oportunidade de botar em prática", diz o técnico em eletrônica. Com informações do G1.



Programação com apps sua carreira

O mercado mostra um crescimento extremo, mas há uma falta de profissionais: os desenvolvedores de aplicativos móveis estão actualmente avaliada especialistas. Até mesmo os recém-chegados na indústria tem uma chance.



Suas ferramentas são computadores, iPhones, iPads. Seu trabalho está na frente da tela, em casa o seu próprio escritório. Björn Kaiser desenvolve aplicativos e tem um trabalho a tempo inteiro como em casa desenvolvedores da Aboalarm . A empresa opera perto de Heilbronn um portal do consumidor, que cuida da administração e rescisão de contratos. Apenas o aplicativo web ou o aplicativo para smartphone e tablet Download, entre contratos assinados e períodos de observação, e lá você vai ser lembrado no tempo, porque quando a rescisão de um contrato é devido. Pré-fabricadas carta de rescisão com o endereço correto para corrigi-los.

Novas tendências em vista

Björn Kaiser aguarda o aplicativo para o iPhone, respondendo às críticas do usuário, melhora a app, explora as novas tendências e inovações na área se preocupa com a privacidade. E um novo sistema operacional no mercado, como esta queda, o iOS 6, ele verifica se o aplicativo ainda corre estável sob o novo sistema.

O jovem de 24 anos é um mudar de profissão típicos, como muitos na indústria que têm sido criados no computador. Aos onze anos, ele começou a programa. Mesmo que ele foi treinado como um caixeiro comercial e mais tarde trabalhou como desenvolvedor web na indústria, nunca a paixão deixou. Ele aperfeiçoou sua própria, aprendeu a linguagem de programação para sistemas operacionais iOS, li um monte de literatura, enquanto navega nos fóruns e trouxe-o para os desenvolvedores de aplicativos. "Foi aprender fazendo", diz ele. Há três anos ele aplicativos programados. Por seu aplicativo de auto-desenvolvimento em primeiro lugar, os motoristas podem estacionar o seu armazenamento. Cerca de GPS são devolvidos à tarde.



Livre e ainda protegido



Ele programou como freelancer para empresas sobre juntando Aboalarm, onde agora tem um contrato permanente. Porque a sua empresa tem cerca de 150 quilômetros de sua casa, Björn Kaiser trabalhar a partir de sua mesa de trabalho - ou de onde quer que ele tem uma ligação à Internet. Ele gosta do conceito bem. "Eu sou livre e ainda protegido", diz ele. Para solitário que não o faria, porque ele é constantemente na Internet com os seus colegas de pé juntos. "Neste trabalho você tem que ser um jogador de equipe", diz ele. Bom domínio do Inglês são importantes. "Muitos documentos são escritos em Inglês, também fóruns importantes de desenvolvimento."

Sua carreira é típica de uma indústria que é urgentemente à procura de trabalhadores qualificados. "O mercado está explodindo", diz Andreas Theis, professor assistente de engenharia de software na Academia de Mídia CIMdata em Berlim. "Os desenvolvedores de aplicativos têm uma boa chance para empresas que procuram os freelancers e colaboradores." Desenvolver não apenas sobre aplicativos para uso de lazer, mas também para a comunicação interna. No exemplo CIMdata, as pessoas podem - a partir de informática e web design ou com uma afinidade especial para a programação - para treinar para desenvolvedores de aplicativos. O treinamento é apresentado em módulos. Ensinou a linguagem de programação Objective-C para iPhone e iPad, bem como o desenvolvimento de um aplicativo para comercialização.Reservas módulos podem ser adicionados, tais como Java, que está disponível para todos os desenvolvedores Android pré-requisito essencial. Será que também vai desenvolver aplicativos multi-plataformas, você deve saber, além dos idiomas mais comuns para desenvolvimento web app.

Ampla educação

Esta oferta era para vir para Marc Wörner crucial de Frankfurt a Berlim para fazer o CIMdata continuar a desenvolvedores de aplicativos. O jogador de 33 anos, quer os da Apple dispositivos focados. "O tipo de treinamento que é baseada em módulos, encontrei apenas aqui", diz Wörner, que já trabalhou como Gerente de Projetos de TI. Ele tem dois módulos para o desenvolvimento iOS app é um módulo de programação web e um no Photoshop, "de modo que os aplicativos olhar muito agradável." Mesmo na sala de aula, os participantes começam a desenvolver seus próprios aplicativos.

Mais tarde, ele em primeiro lugar gostaria de encontrar um emprego permanente para aprender a programar em uma equipe. Seu sonho, porém, é seu próprio negócio. Mas talvez seria atender bem o imperador modelo: teor de sólidos com o máximo de liberdade.


© Axel Springer AG 2012th Todos os direitos reservados

Maior feira de fotografia do mundo revela tendências na Alemanha

Com 1.160 expositores de 41 países, Photokina apresenta novidades da indústria fotográfica em Colônia. Novas câmeras têm aplicativos, GPS e conexão sem fio à internet. Fabricantes seguem na onda do quanto menor, melhor.

Compartilhar as fotos com os amigos direto da praia e não somente ao voltar das férias. É o que desejam os clientes da indústria da fotografia. Desta terça-feira (18.09) até o próximo domingo, a Photokina – maior feira do setor, na cidade alemã de Colônia – responde a tal demanda e apresenta novidades ao público. Os produtos, exibidos por cerca de 1.160 expositores de 41 países, evidenciam três tendências: compacto, móvel e sem fio.

Para permitir o compartilhamento instantâneo através das redes sociais, as grandes fabricantes equipam suas câmeras fotográficas e filmadoras com conexões sem fio à internet. Algumas têm até mesmo um sistema de GPS acoplado, de modo que se possa refazer de casa o percurso percorrido pelo fotógrafo.

Além disso, smartphones e câmeras de celulares não são mais vistos como concorrência no setor, sendo os telefones considerados aliados. Aplicativos instalados no celular são particularmente interessantes para acionar autorretratos e fotografia de natureza, mostra o estande da Sony, por exemplo. Agora, sistemas operacionais para smartphones e tablets também estão disponíveis para câmeras, nas quais pode ser instalada uma série de aplicativos.

Quanto ao tamanho, a tendência parece ser quanto menor, melhor. Um dos lançamentos da Nikon é uma câmera compacta que é pouco maior do que uma caixa de fósforos. Já a Pentax apresenta a menor câmera com lentes intercambiáveis do mercado, com 10,2 centímetros de largura e que pesa apenas 180 gramas.

A grande questão da indústria fotográfica continua sendo a transmissão sem fio. Até mesmo para as fabricantes de impressoras, tudo gira em torno dos celulares. A conexão sem fio torna o computador desnecessário para a impressão de fotos, realizada a partir de tablets e smartphones.

Na impressão também desaparecem as fronteiras com o mundo digital, o que se vê nos livros fotográficos, por exemplo. Montar, encomendar e apreciar as fotos, tudo é feito através dos smartphones ou tablets.

E quem prefere pendurar suas fotos na parede pode testar o resultado em seu aparelho celular. Através da tecnologia "augmented reality" (realidade ampliada, em português), é possível ver como a foto ficaria no lugar desejado e, com um screenshot, consultar a opinião dos amigos.

Mas ainda há câmeras sem aplicativos ou internet. As câmeras instantâneas ainda não atingiram um tamanho reduzido, mas também avançaram. A longa espera para que finalmente algo pudesse ser reconhecido na foto chegou ao fim. As novas câmeras revelam fotografias em poucos segundos.

terça-feira, 18 de setembro de 2012

Empresa Siemens AG


Siemens AG (Siemens Aktiengesellschaft (NYSE SI)é um conglomerado alemão de engenharia, sendo o maior da Europa. Seus principais escritórios estão localizados em Berlim, Munique e Erlangen, na Alemanha. A empresa possui três áreas de negócios principais: Indústria, Energia e Medicina; com um total de 15 divisões.
Mundialmente, a Siemens e suas subsidiárias empregam mais de 420.000 pessoas em 190 países e faturou 76 bilhões de euros no ano fiscal de 2009]. A Siemens AG está listada na Bolsa de Frankfurt, estando também listada na Bolsa de Valores de Nova Iorque desde 12 de março e de 2001
Atuava originalmente fabricando equipamento de telecomunicações e atualmente está também nas áreas de material elétrico, infra-estrutura do setor energético (elétrico e nuclear), transporte público (na construção de trens e metrôs), equipamento hospitalar, painéis solares, autopeças (Siemens VDO) e computadores (Fujitsu-Siemens). No passado, a empresa teve filiais para a montagem de carros (Siemens Protos) e componentes eletroeletrônicos (Icotron, entre outras). A primeira encerrou suas atividades e a segunda se tornou uma empresa independente, a Epcos. A Siemens também participa de várias joint ventures , principalmente na área de geração de energia. O grupo controla ainda várias outras empresas que não levam o nome Siemens, como a fabricante de lâmpadas Osram e a fabricante de turbinas Demag Delaval.
Seus produtos mais conhecidos do grande público são seus personal computers, telefones fixos e móveis (celulares).


Em 1847 os engenheiros alemães Werner von Siemens e Johann Georg Halske fundaram a Telegraphen-Bauanstalt Siemens & Halske para instalar linhas telegráficas e fabricar o produto que desenvolveram no ano anterior, o telégrafo de ponteiro. Diferente do telégrafo comum que exigia conhecimento do código morse para ser usado, o telégrafo de Siemens e Halske tinha uma tecla distinta para cada letra, podendo ser operado por qualquer adulto alfabetizado.
O primeiro contrato para a instalação de uma linha foi firmado com o governo da Prússia, para ligar as cidades de Frankfurt e Berlim, em 1848. Para que parte da linha pudesse ser subterrânea, Siemens criou a prensa de guta-percha, máquina que revestia os fios com material isolante. Antes disso, as linhas telegráficas eram todas suspensas.
A empresa correu risco de falir quando o governo prussiano cancelou todos os seus contratos, mas, numa nova virada, o governo russo contratou a companhia para a instalação de uma enorme linha, com mais de dez mil quilômetros, ligando a Finlândia com a região da Criméia. Este e outros contratos permitiram a expansão da empresa durante a década de 1850. Werner e seu irmão, Wihelm, instalaram na Inglaterra a Siemens Brothers, fábrica destinada a produção de cabos. Mandaram construir um barco no país, o Faraday, utilizado na instalação de cabos telegráficos submarinos.
Em 1870 a Siemens & Halske completou seu trabalho mais famoso: a Linha Telegráfica Indo-Européia, ligando as cidades de Londres a Calcutá, no leste da Índia. A essa altura, a empresa já estava bem estabelecida, com várias representações em países estrangeiros. Em 1879, com a transferência da sede de Berlim para Viena, começou uma nova fase de diversificação de objetivos. No mesmo ano, Siemens inventou o gerador elétrico a apresentou a primeira ferrovia elétrica. Em 1881, instalou a primeira rede de iluminação elétrica de rua da Europa e a primeira linha de bondes do mundo. No fim do século XIX foi criada a Siemens-Shuckertwerke dedicada à área de engenharia elétrica.
Em [1908], com Werner von Siemens já falecido, a Siemens-Schuckertwerke incorporou a Protos, fabricante de carros alemã. Os modelos da Protos já eram bastante requisitados pela elite européia, mas a Siemens decidiu diversificar projetando carros de corrida. No mesmo ano da compra, um modelo de corrida da Protos venceu a Corrida Automobilística Nova York-Paris. A fabricação de carros foi encerrada na década de 1920, com a Siemens se concentrando cada vez na produção de material elétrico e eletrodomésticos (muidos dos quais lançados sob a marca Protos).
Durante a Primeira Guerra Mundial a Protos praticamente abandonou a produção de carros de passeio, concentrando-se na construção de veículos para o exército alemão. Nessa fase fabricou caminhões de carga, caminhões-geradores e ambulâncias. Apesar destes contratos com o governo, a primeira Grande Guerra foi uma época de crise para todas as empresas do grupo Siemens. Os empreendimentos mais prejudicados foram os fortemente dependentes de importações, como os serviços de instalação elétrica industrial e construção de ferrovias. O fim da guerra iniciou um curto período de recuperação. Em 1919 Carl Friedrich von Siemens, filho mais novo de Werner, assumiu o comando da empresa. O novo ciclo de crescimento foi interrompido pela Quebra da Bolsa de 1929.
Com a deflagração da Segunda Guerra Mundial novamente as importações foram prejudicadas, e a produção regional tornou-se iminentemente necessária. Para manter os estoques, a Siemens montou várias oficinas de manufatura utilizando mão-de-obra escrava judia, voltadas para seu próprio consumo. A Siemens passou a produzir eletrodos, disjuntores e transformadores em lugares onde antes apenas os instalava.
A partir da década de [1950], o gerenciamento das companhias começou a ser centralizado. Antes disso, as três principais empresas do grupo – Siemens & Halske, Siemens Shuckertwerke e Siemens-Reiniger-Werke – eram administradas separadamente.
No ano de 2009 a empresa consolidou-se como a maior fabricante de centrais PABX de pequeno e médio porte do Brasil, com participação de 35% neste mercado.

Brasil participa da Inno Trans, na Alemanha, com 42 empresas

O Brasil será representado por 42 empresas nacionais e multinacionais num pavilhão coletivo na InnoTrans 2012 - Feira Internacional de Tecnologia em Transportes, de 18 a 21 de setembro em Berlim, na Alemanha.

Plataforma internacional para compradores e vendedores de tecnologia de transporte de passageiros e de carga, a InnoTrans se estabeleceu como uma vitrine internacional da indústria com foco em tecnologia ferroviária. Focada em quatro tópicos principais: infra-estruturas ferroviárias, interiores, transporte público e construção de túneis, apresenta uma gama completa de veículos ferroviários em telas estáticas na feira de Berlim e nos trilhos localizados fora dos pavilhões de exposição.

As empresas brasileiras presentes na edição 2012 da Feira atuam em diversos ramos do setor, que vão desde a fabricação de vagões, peças e acessórios, manutenção, renovação e modernização de trens de passsageiros e de cargas, arquitetura e engenharia de metrô, infraestrutura de trilhos, máquinas e ferramentas para manutenção de vias, além de soluções tecnológicas e comercialização de produtos, entre outros.

No dia 20 de setembro, também será realizado o seminário "Brazil on Rails". Com o tema “O potencial do mercado ferroviário brasileiro e seus planos de expansão”, promoverá um debate informativo sobre projetos metroferroviários brasileiros.

Autoridade alemã alerta para falha de segurança no Internet Explorer

Órgão de segurança em tecnologia de informação do governo alemão alertou usuários para evitarem temporariamente o uso do navegador. A medida nada ortodoxa segue a identificação de grave brecha no produto da Microsoft.



O Departamento Federal de Segurança em Tecnologia de Informaçao da Alemanha (BSI) alertou os usuários para não utilizarem o navegador Internet Explorer até que a vulnerabilidade de "Dia Zero" – intitulada assim por ter sido identificada e explorada por crackers antes de a Microsoft se dar conta do problema – estivesse completamente sanada.

"Um update de segurança do fabricante ainda não está disponível. Desta forma, o BSI aconselha a todos os usuários do Internet Explorer a utilizarem um navegador alternativo para surfar na rede enquanto a Microsoft não lança a atualização", declarou o órgão nesta terca-feira (18/09).

Esta fraqueza permite aos crackers tomar controle dos computadores ao iludir usuários para acessar um website preparado especialmente para explorar a falha. Eric Romang, um pesquisador de Luxemburgo, descobriu-a na última sexta-feira (14/09), quando o seu PC foi infectado por um software chamado Hera Venenosa (Poison Ivy, no original). Este malware é geralmente usado por crackers para roubar dados pessoais ou tomar controle a distância de um computador.

O BSI afirmou em comunicado que o "código de ataque está disponível de graça na internet, o que significa que uma exploraçao desenfreada é possível".

Microsoft sugere conserto temporário

Os computadores afetados são aqueles que rodam o Internet Explorer 8 ou 9 com o sistema operacional Windows 7 ou 8, ou Explorer 7 ou 8 que use o Windows XP. A Microsoft disse que seu mais novo browser, o Explorer 10, não foi afetado.

A empresa tem alertado consumidores para baixar de graça um software de segurança chamado Enhanced Mitigation Experience Toolkit, um kit de ferramentas para aplicar tecnologias de mitigação de segurança, disponível no site da Microsoft. A companhia diz que o produto precisa ser baixado, instalado e então configurado manualmente para proteger os computadores da nova ameaça – a empresa avisa que os usuários precisam mudar várias configurações de segurança para reduzir o risco de infecção.

A Microsoft admitiu, entretanto, que tais mudanças podem causar algum impacto na usabilidade dos computadores – o que tem feito com que alguns especialistas em segurança sugiram uma solução alternativa.

"Para os consumidores, talvez seja mais fácil passar a usar o Chrome, contou à agência Reuters Dave Marcus, diretor da divisão de pesquisa avançada e de ameaça à inteligência da empresa McAfee, a respeito do navegador da Google – líder do mercado, à frente do Explorer. Outras alternativas de browsers são: o Firefox, da Mozilla; o Opera, da ASA e o Safari, da Apple.

O BSI também declarou em seu comunidado que está em contato constante com a Microsoft e que iria dar seu parecer positivo aos consumidores assim que o problema for resolvido.
RO/dpa/rtr
Revisão: Carlos Albuquerque

Funcionário da Foxconn denuncia condições exploratórias de trabalho

O novo iPhone é altamente cobiçado, no entanto, nas fábricas onde eles são produzidos, as prometidas melhoras nas condições exploratórias de trabalho ainda não aconteceram. A DW conversou com um funcionário da Foxconn.

Deutsche Welle: Em março de 2012, o novo diretor-executivo da Apple Tim Cook declarou luta contra horas extras ilegais nas fábricas de seus fornecedores. Na época, ele prometeu elevar o padrão de vida dos trabalhadores. Há alguns dias, um jornalista de Xangai reportou sobre as más condições de trabalho e horas extras ilegais. Essas informações estão corretas?
Funcionário da Foxconn: Sim, trabalhamos duro aqui. O trabalho exige muito e o nível salarial é baixo. Eu próprio tenho que trabalhar, algumas vezes durante turnos noturnos, sete horas sem pausa. A pressão é muito grande e meu salário mensal é de 1.550 yuans (aproximadamente 190 euros), cerca de um euro por hora de trabalho.
Mesmo com as horas extras, o meu ganho mensal é muito baixo, porque o custo de vida sobe constantemente. Além disso, a fábrica é muito rígida com os empregados. Quem faz um bom trabalho não tem nenhum reconhecimento. Quem não faz um trabalho bom é criticado. Isso é muito estressante.
Você disse que a fábrica é muito rígida com os empregados. Você poderia explicar com mais detalhes?
Nosso chefe só exige obediência, somos como máquinas, a fábrica quer nos controlar. Há até um slogan na Foxconn: "Fora do laboratório não há alta tecnologia, o que prevalece é a obediência e a disciplina".

Onde você ouviu esse slogan?

Trabalhadores da Foxconn protestam depois do suicídio de um colega
Está pendurado na parede como um slogan, trata-se de uma espécie de "cultura corporativa". Os chefes sempre dizem que isso é bom, podemos ganhar mais dinheiro se formos obedientes. É dito para os novos funcionários: "Faça o que o supervisor do seu turno exigir e não seja renitente". Isso significa que não podemos expressar nossas próprias vontades. Por exemplo, não temos um horário estipulado para pausas. Só podemos fazer pausas se o supervisor do turno permitir.
Há alguns meses, quando o novo diretor-executivo da Apple Tim Cook visitou a China, a Foxconn anunciou que a carga de trabalho semanal seria de no máximo 49 horas, incluindo horas extras, e que esse limite seria rigorosamente cumprido. Isso foi implementado em sua fábrica?
Essas foram apenas belas palavras. Por ocasião do treinamento inicial, nos foi dito que teríamos uma pausa de dez minutos a cada duas horas, mas na realidade eu nunca vi isso acontecer. Disseram também que o turno noturno começaria às 20h e que três horas depois haveria uma pausa para refeição, mas a duração completa dessa pausa nunca foi cumprida a rigor.
Depois da refeição temos que trabalhar até às 7h sem pausa. São mais de sete horas seguidas, todas as noites. A lei trabalhista chinesa estipula que os empregados não podem fazer mais que 36 horas extras por mês. Mas aqui na fábrica, os empregados chegam a fazer mais de 80 horas extras por mês.


Tim Cook na apresentação do novo iPhone 5
 Mesmo assim você e seus colegas continuam trabalhando na empresa. Por quê?
Um colega mais experiente me disse uma vez que ninguém é forçado a ficar aqui. Se você reclama, vai muito provavelmente ganhar o título de "inconveniente" do supervisor do seu turno, mas mesmo ele não pode nos forçar a fazer algo contra a nossa vontade.
Mas quando o chefe aparece, ele faz ameaças. Ou ele tenta persuadir você com slogans do tipo: "Todos estamos aqui para ganhar dinheiro. Duas horas de trabalho significa um pouco mais de dinheiro", mas por duas horas extras eu ganho apenas 30 yuans, uma refeição já custa por volta de 20 yuans.
Com essa quantidade excessiva de horas extras, a Foxconn excedeu os limites legais. A empresa não tem medo que os empregados possam falar publicamente das más condições de trabalho?
Tenho a impressão de que a direção da Foxconn não se importa. Pelo contrário, a Foxconn recebe muito apoio do governo. Nos últimos anos a companhia aumentou muito a sua participação no mercado chinês. A Foxconn cria muitos empregos e paga muitos impostos, por isso o governo fecha os olhos. O diretor-executivo da Foxconn, Terry Gou, não faz disso um segredo. Ele disse que se as condições de trabalho na empresa fossem "problemáticas", a Foxconn já teria sido "destruída" e não teria tido a chance de se desenvolver tão rapidamente no mercado chinês.
Para proteger a fonte, a entrevista foi conduzida anonimamente. A DW conhece a identidade do funcionário da Foxconn.

Entrevista: Yanyan Han (mas)
Revisão: Carlos Albuquerque