sábado, 20 de outubro de 2012

EDUCAÇÃO Dez Anos de Universidade das Crianças na Alemanha


O que começou como uma experiência tornou-se agora um pequeno movimento. Hoje, muitas universidades oferecem como parte de Universidades para crianças em palestras.Uma idéia da Alemanha, o mundo faz escola.
Um momento atrás, foi relativamente calma nos corredores da Universidade de Hamburgo. Mas, de repente pisar centenas de pequenos pés pelos corredores. Através da tempestade grandes portas duplas de mil crianças na sala de aula, a maior sala de aula da Universidade de Hamburgo. Todo mundo quer pegar o melhor lugar. As primeiras linhas são preenchidas em poucos minutos. E as linhas restantes de cadeiras enchem rápido. Conversas animado e Gehampel, os meninos e meninas estão cheios de expectativa. Quando finalmente se apaga, eles fazem o seu entusiasmo com alto gritando e batendo palmas ar.
Assim, um professor de física recebeu Robi Banerjee, da Universidade de Hamburgo, de outra forma, quando ele entra na sala de aula.Uma vez por ano, a universidade nesta série de palestras gratuito para as crianças. Hoje, no catálogo de cursos para a 8 - a 12-year-old astrofísica. "Quando falamos de estrelas, vamos primeiro negócio com a questão do que uma estrela realmente é", Banerjee começa sua palestra.
"Acho que é estrela emocionante"
As meninas e meninos ouvi-lo fascinado. Além da carteira de estudante, a cada criança, mentir sobre a pequena mesa dobrável, cadernos e canetas. Muitas crianças escrevem com ansiosos o que o professor disse-lhes. "Então, eu me lembro, melhor", diz o Dana nove anos de idade, que se senta na primeira fila. Moritz e seu amigo também escrever tudo com exatidão. Estrelas de gás e poeira que causaram o sol quatro milhões de toneladas de material por queimadura de segundo, e que o combustível no sol para 10.000 bilhões de anos é suficiente. Moritz será ministrado emocionante, diz ele. E para as estrelas, ele estava interessado em qualquer maneira.
"A Universidade de Hamburgo fez estudos que interesse tópicos nesta faixa etária", diz Gaby Gahnström da equipe de organização, o conceito de Universidade das Crianças. A partir de cada uma das seis faculdades após um tema para um dos seis palestras for seleccionado. "Por Universidade das Crianças é um bom formato para se apresentar ao público positivo", Gahnström. Ela desejava acima de tudo para levar as crianças a impressão de que a universidade é algo emocionante e que eles entendem o que é ciência.
Nenhuma competição para a escola
No entanto, se a escola as crianças não competir, mas para gerar muito mais interesse e curiosidade tranquila - que era o objetivo dos fundadores da Universidade das primeiras crianças na Alemanha."Nunca tive o choque Pisa algo para fazer, mesmo que seja na mídia de novo e novamente postos em relação", diz Michael Seifert, porta-voz da Universidade de Tübingen. Há dez anos atrás abriu pela primeira vez as portas do auditório para os alunos pequenos. E de lá também foi a idéia de Universidade das Crianças a um movimento real. Muito mais do que 70 já estão disponíveis na Alemanha. No mundo, há mais de 200 universidades de crianças em mais de 20 países. Apenas uma universidade canadense pediu à Universidade de Hamburgo para cooperar.
Crianças animado sobre a universidade
No auditório principal, as crianças já se foram do Sol para o corpo celeste mais próximo. Robi Banerjee leva para sua área de especialização. No Observatório de Hamburgo, ele discute, inter alia, por meio de simulações de computador com a questão de como as estrelas. E é isso que ele quer explicar ouvintes jovens de hoje. Ele acha excitante para inspirar as crianças para a universidade. "Talvez até mesmo para astrofísica", disse Banerjee.
Em qualquer caso, ele quer algo que permanece pendurado conteúdo. Isso ele vigas fotografias do espaço exterior para a tela grande e às vezes até joga com as palavras estrangeiras ao redor.Mas as crianças parecem aspirar a tudo, literalmente, uma boa meia hora. Então, quando eles mesmos podem fazer perguntas, quase todos dedo rápido. Verena quer saber se a terra pode surgir de novo. Outra garota pergunta como estrelas brilham. E Lucas se pergunta se existem bactérias no universo também.
Nem todas as crianças podem se livrar de suas perguntas. E quando a aula depois vai para o final, eles não se apresse em torno de fora, mas para a frente para obter o professor para conseguir um autógrafo. Robi Banerjee pacientemente assinado cartões das crianças carteira de estudante e muitas outras perguntas respondidas aqui. Ele está encantado com as multidões. "É muito bom estar junto com pessoas tão curiosos. Meus alunos quase nunca fazer uma pergunta."


MEIO AMBIENTE Acidente químico obriga 1.800 pessoas a deixar suas residências na Alemanha


Acidente aconteceu durante a limpeza de um tanque, quando um funcionário se enganou e misturou ácido nítrico com soda cáustica. A reação formou uma nuvem tóxica, obrigando à evacuação da região próxima à fábrica.
A situação na cidade de Bad Fallingbostel, na Baixa Saxônia, permanece delicada nesta terça-feira (16/10) após o acidente químico que ocorreu numa fábrica da empresa Kraft Foods no dia anterior. A região num raio de 500 metros da fábrica foi evacuada. Cerca de 1.800 moradores tiveram que deixar suas residências.
O acidente aconteceu durante os trabalhos de limpeza num tanque. Um funcionário se enganou e derramou 10 mil litros de ácido nítrico num tanque que continha 14 mil litros de soda cáustica. A reação formou uma nuvem altamente tóxica. "A inalação desse tóxico pode causar irritação nas vias respiratórias e, em casos mais graves, edema pulmonar", explicou um médico.
A situação continua crítica e devido ao aquecimento da substância há o risco de o tanque se partir e também da formação de uma nova nuvem tóxica. Os bombeiros estão trabalhando no resfriamento e esvaziamento do tanque. Devido ao elevado risco, apenas 20 especialistas trabalham no local. "O sinal de alerta só poderá ser retirado quando os trabalhos estiverem concluídos e isso ainda vai demorar um pouco", relatou um porta-voz dos bombeiros. Cerca de 3.000 litros da substância são retirados por hora.
Por causa do acidente as aulas foram suspensas na região e uma rodovia ficou bloqueada durante algumas horas. A fábrica possui cerca de 600 funcionários e nela são produzidos maionese, ketchup e cream cheese.
CN/dpa/dapd/afpd
Revisão: Alexandre Schossler

ALEMANHA Mais de 12 milhões de alemães vivem ameaçados pela pobreza


Quase um sexto da população da maior economia europeia vive em risco financeiro, com menos de 952 euros por mês. Taxa é a mais alta registrada desde 2005.
Quase um a cada seis alemães vive em risco de pobreza, divulgou o Departamento Federal de Estatísticas (Destatis) nesta quarta-feira (17/10). A taxa, referente ao ano de 2010, é a mais alta desde que os dados começaram a ser levantados, em 2005.
Um indivíduo é considerado sob ameaça de pobreza quando dispõe de menos de 11.426 euros por ano ou 952 euros por mês, incluindo benefício estatais. A medida relativa leva em consideração aqueles que recebem menos de 60% da renda média nacional.
Os números mais recentes, de 2010, mostram que 12,8 milhões ou 15,8% da população estavam ameaçados naquele ano. A taxa manteve-se praticamente constante com relação à de 2008 (15,5%) e de 2009 (15,6%). Em 2005, a taxa era de 12,2% da população alemã.
Apesar da elevação nos últimos anos, o índice registrado na Alemanha ainda está abaixo da média europeia: 16,4% dos quase 500 milhões de moradores do continente viviam em risco de pobreza em 2010. O Destatis consultou 3.512 lares e 24.220 europeus para a pesquisa, intitulada Das Leben in Europa 2011 (A vida na Europa 2011).
De acordo com o Destatis, pais e mães solteiros correspondem a 37,1% dos ameaçados pela pobreza. Lares com dois adultos abaixo de 65 anos, sem filhos, enfrentam uma situação melhor, com a pobreza afetando apenas 11,3% do total.
Ricos e pobres
Um relatório divulgado em setembro deste ano pelo Ministério do Trabalho da Alemanha havia mostrado que a distância entre ricos e pobres está aumentando na maior economia da Europa.
O estudo, publicado a cada quatro anos, mostrou que 10% dos domicílios alemães detinham 53% do total da riqueza do país em 2008. Em comparação, cerca de metade dos lares detinham apenas 1% da fortuna alemã.
Sindicatos argumentam que a distância entre ricos e pobres foi acentuada por mudanças no mercado de trabalho. Elas mantiveram os custos trabalhistas baixos e o desemprego também relativamente baixo quando comparado aos de outros países da zona do euro abalados pela crise da dívida.
Entretanto, de acordo com o Departamento de Estatísticas da União Europeia (Eurostat), dois terços dos desempregados alemães (67,8%) estão ameaçados pela pobreza. Os dados de 2011, divulgados nesta quarta-feira, indicam que a situação dos desempregados na Alemanha é pior do que a dos do restante do continente. Na França, a taxa era de 33%; na Inglaterra, de 47,4%; e na Espanha, de 39,1%.
LPF/afp/dpa/rtr
Revisão: Francis França

AMÉRICA LATINA Uruguai aprova aborto e estuda legalizar maconha e casamento gay


País é o terceiro da América Latina a legalizar a interrupção da gravidez e confirma sua vanguarda no respeito a leis do direito civil. Congresso vai analisar, ainda em 2012, a legalização da maconha e casamento gay.
O Senado uruguaio aprovou nesta quarta-feira (17/10) a descriminalização do aborto para mulheres até a 12ª semana de gestação. Os parlamentares do país deverão analisar, ainda neste ano, projetos de lei que legalizam o cultivo e comercialização da maconha e o casamento entre pessoas do mesmo sexo.
Com a aprovação da lei do aborto, o país é o terceiro da América Latina, ao lado de Cuba e Guiana, a legalizar a interrupção da gravidez. O país confirma, assim, sua tradição de vanguarda em relação aos direitos civis.
"O Uruguai sempre foi conhecido como um país avançado em termos de organização política e tem um afinamento muito grande com os debates que se desenvolvem na Europa e que envolvem questões como casamento de pessoas do mesmo sexo e o aborto", afirmou George Galindo, professor de Direito Internacional da Universidade de Brasília (UnB).
Christoph Wagner, do Instituto de Ciências Políticas de Mainz, na Alemanha, afirma que essas medidas liberais são fruto de uma democracia onde direitos como liberdade de expressão e de imprensa são garantidos. "O Uruguai é o país mais democrático da América Latina", frisou.
Ele está convencido de que o país está pronto para essa mudança. "Mesmo sendo um país católico, há uma divisão clara entre Igreja e Estado e isso já tem quase 100 anos de tradição", frisou Wagner.
O presidente uruguaio, José Mujica, afirmou que vai sancionar a lei. Em 2008, o então presidente Tabaré Vázquez vetou uma iniciativa similar aprovada pelo Congresso.
Ainda em 2012 os parlamentares uruguaios vão discutir a regulamentação de duas leis consideradas polêmicas. Uma delas é em relação ao casamento entre pessoas do mesmo sexo. Legalmente, apenas a união civil entre homossexuais é permitida no país desde 2007.
Outro projeto de lei controverso diz respeito ao cultivo e comercialização da maconha. A legislação prevê, entretanto, que somente o Estado uruguaio poderá vender a droga. Se o projeto for aprovado, o país se tornará o primeiro no mundo a disponibilizar maconha diretamente aos seus cidadãos.
Descriminalição do aborto
De acordo com a lei aprovada nesta semana, a mulher pode interromper a gravidez até a 12ª semana. Mas, para isso, ela deve participar de um aconselhamento com um grupo de profissionais de saúde e passar por um período de reflexão de cinco dias antes de dar a resposta final.
"Com esta lei nos juntamos aos países desenvolvidos que, em sua maioria, têm adotado critérios para a liberalização, reconhecendo o fracasso das normas penais que tentam evitar o aborto", afirmou o senador governista Luis Gallo, em seu discurso durante a sessão no Parlamento.
Cerca de 30 mil mulheres morrem todos os anos no Uruguai por causa de abortos realizados ilegalmente. De acordo com organizações não-governamentais, esses números poder ser ainda maiores, pois muitos casos não são registrados.
Resistência de todos os lados
A lei encontrou resistência tanto de grupos contrários como favoráveis ao aborto. As organizações pró-aborto criticam a imposição de condições para a interrupção da gravidez. "Não é reconhecido o direito da mulher de decidir livremente sobre sua vida e maternidade", afirmou a Coordenação pelo Aborto Legal em comunicado.
O Partido Nacional (PN), de oposição ao governo, lançou nesta quinta-feira uma campanha de coleta de assinaturas para um referendo contra a nova lei. Há a possibilidade, ainda, da formação de uma Comissão Nacional Pró-Anulação com o slogan "A vida não se plebiscita".
Apesar da resistência da oposição, uma pesquisa de opinião da consultoria Cifra, divulgada semanas atrás, constatou que 52% dos uruguaios são a favor da legalização e 34% são contra.
Modelo para outros países
A exemplo do Uruguai, outros países sul-americanos podem iniciar as discussões sobre esses temas polêmicos. Mas, ao mesmo tempo, dois especialistas consultados pela Deutsche Welle afirmam que o efeito "liberalizante" do Uruguai não pode ser superestimado.
"É um caso que abre precedente e funciona do ponto de vista da persuasão, mas temos que ver o contexto de cada país para verificar se outros vão seguir o Uruguai", frisou George Galindo, da UnB.
Christoph Wagner, da Universidade de Mainz, acredita que a decisão terá influência apenas em nível regional. "Com seus 3,5 milhões de habitantes, o país não tem um peso como o Brasil ou a Argentina. Eu acho que há sim um efeito, mas não podemos superestimá-lo", concluiu.
Autores: Fernando Caulyt / Christina Weise
Revisão: Francis França

AS OKTOBERFEST NO BRASIL


Dinheiro e diversão

A primeira Oktoberfest foi inaugurada no dia 17 de outubro de 1810, em Munique. A maior festa da cerveja do planeta ganhou sua versão brasileira somente 174 anos mais tarde. Blumenau criou a Oktoberfest depois de ter sofrido duas fortes enchentes, entre 1983 e 1984. O objetivo era recuperar a economia local e animar os moradores. Quase 30 anos depois, a festa continua gerando lucro – e diversão.

Terras de Hermann Blumenau

Blumenau é conhecida pelas casas em estilo europeu, herança dos primeiros imigrantes alemães que chegaram por lá nos idos de 1850. A cidade catarinense com pouco mais 300 mil habitantes ganhou esse nome por causa do farmacêutico alemão Hermann Blumenau, um dos primeiros colonos da região.

A segunda maior do mundo

A Oktoberfest de Blumenau é a segunda maior do mundo e a segunda maior festa popular do Brasil, depois do Carnaval. Durante os dias de Oktoberfest, a cidade catarinense recebe cerca de 600 mil foliões brasileiros e estrangeiros. Neste ano, os ingressos custam entre 6 e 20 reais. Mas quem chegar de "Dirndl" (vestido típico) ou "Lederhose" (calça de couro) entra de graça.

Os mascotes

Todos as Oktoberfest celebradas no Brasil têm seus próprios mascotes – tradição brasileira que não existe na Alemanha. Os bonecos participam de todas as atividades festivas e logo ganham a simpatia das crianças. Na cidade de Igrejinha, por exemplo, os mascotes são Hans e Hannah. Em 2008, para comemorar seus 10 anos, eles ganharam um casal de herdeiros: Frederico e Alice.

A rainha e as princesas da festa

A rainha da Oktoberfest e suas princesas representam suas cidades ao longo de todo o ano. Cada celebração tem a sua própria tradição. Em Blumenau, pode-se ver a influência dos concursos de beleza internacionais dos Estados Unidos.

"Belezas reais"

A cidade de Itapiranga também tem sua rainha e suas duas princesas da Oktoberfest (foto). Apesar de não existir na Oktoberfest de Munique, a escolha das rainhas e princesas é tradição na região de vinhedos dos rios Reno e Mosela, na Alemanha. As belas moças representam o vinho alemão durante um ano.

Desfiles de rua

Os desfiles de rua são uma das maiores atrações da Oktoberfest. Em algumas cidades, como em Santa Cruz do Sul, há até mais de uma parada. Os carros alegóricos extravagantes, os trajes típicos coloridos e as bandas de música, assim como os bonecos e o carro da realeza, lembram os desfiles carnavalescos que acontecem na Renânia.

Dança típicas

Os grupos folclóricos fazem suas apresentações durante os desfiles e também nos pavilhões – sempre ao som de bandas típicas e sob os aplausos do público. As mulheres vestem o tradicional "Dirndl" e os homens, "Lederhose".

Jogos Germânicos

Nas Oktoberfest do Brasil há muitas atrações que não existem em Munique. Entre elas estão os jogos germânicos. As modalidades incluem corrida de carrinho de mão, serra de duas pontas, cabo de guerra e, como aqui em Santa Cruz do Sul, bolão de bola presa.

Minidirndl

Na Alemanha, o tradicional "Dirndl" vai até a altura do joelho. Já no Brasil, eles costumam ser mais curtos. Uma razão para isso é o clima. Em outubro a temperatura chega aos 30 graus – na Alemanha, não passa dos 20 graus.


Prost!

Os Concursos de Tomadores de Chope em Metro são muito populares nas Oktoberfest do Brasil. Vence que beber um metro de chope em menos tempo, sem derramar ou tirar a tulipa da boca. O vencedor é anunciado no último dia da festa. A cerveja vem de fábricas nacionais ou de cervejarias locais com nomes alemães, como "Unser Bier", "Eisenbahn" ou "Wunder Bier".

Autoria: Christina Weise | Edição: Alexandre Schossler/Mariana Santos

ALEMANHA Apps auxiliam ciclistas europeus a encontrar os melhores caminhos


Softwares para telefones celulares dão informações sobre as melhores rotas e caminhos em várias cidades europeias, além de informar sobre hotéis, restaurantes e pontos turísticos.
Na Europa, a bicicleta é muito usada não somente na locomoção diária, mas também nas férias. O continente possui uma malha de ciclovias que liga vários países. Por exemplo, a ciclovia R1 liga Bolonha-sobre-o-mar, na França, a São Petersburgo, na Rússia, passando por Bélgica, Holanda, Alemanha, Polônia, Lituânia, Letônia e Estônia.
Nesse contexto, a tecnologia é muito útil para quem deseja conhecer novos lugares pedalando. Vários apps (softwares para smartphones) foram desenvolvidos para orientar os ciclistas. Um deles é o Brandenburg App, oferecido pela agência de turismo do estado alemão de Brandemburgo.
Este app auxilia no planejamento de rotas nas ciclovias do estado, além de informar sobre hotéis, restaurantes e pontos turísticos. "Brandemburgo é um estado que possui uma grande malha de ciclovias. Além disso, tínhamos muitas informações sobre hotéis e restaurantes. Resolvemos juntar essas duas coisas e, e aproveitando a tecnologia dos smartphones, desenvolvemos o app", conta Janes Huff, gerente do projeto.
O Brandenburg App funciona até mesmo quando o usuário não está conectado à internet. "Os mapas podem ser baixados no celular e, com ajuda do sistema de localização GPS, o usuário pode se orientar durante o passeio", explica Huff. O app está disponível desde junho de 2012 e pode ser baixado gratuitamente.
De bicicleta pela cidade
Outro app bem interessante é o BikeCityGuide. Ele foi desenvolvido para 24 cidades da Alemanha, Suíça e Áustria e indica os melhores caminhos para quem está pedalando, traçando assim rotas mais seguras e mais curtas para os ciclistas.
"A ideia do BikeCityGuide surgiu quando dois ciclistas estavam passeando de bicicleta em Budapeste, uma cidade que eles não conheciam, e pensaram que seria muito interessante ter um de guia de rotas e pontos turísticos desenvolvido por quem anda de bicicleta para quem anda de bicileta", explica Peter Fötsch, o porta-voz do BikeCityGuide.
As rotas do app são fornecidas por ciclistas profissionais: os mensageiros que fazem entregas de bicicleta. Além disso, o programa disponibiliza rotas turísticas para quem deseja conhecer alguma das 24 cidades. “Procuramos sempre trabalhar em parceira com as cidades para quais os apps são desenvolvidos”, diz Fötsch. Os ciclistas são guiados por meio de mensagem de voz que indicam o caminho que eles podem seguir, assim como nos sistemas de navegação de automóveis, muito comuns na Europa.
Para quem se interessou, os links para baixar os apps estão abaixo.
Autora: Clarissa Neher
Revisão: Alexandre Schossler

ALEMANHA Passeio pela Francônia convida ao contato com a natureza

Localizada no norte da Baviera, região pode ser a opção certa para quem procura esporte e lazer em um mesmo lugar. Vales e cavernas compõem um paraíso natural para a prática de esportes radicais.

A viagem começa com um passeio de trem de volta ao passado. A locomotiva histórica, de mais de 60 anos, liga Ebermannstadt e Behringsmühle. A Associação dos Trens a Vapor da Suíça Francônia já restaurou oito trens antigos. A tripulação é composta por amantes da ferrovia. Exercer a função de maquinista, por exemplo, é um hobby.

Além disso, é possível admirar a região por um outro ângulo. Para quem gosta de água e é fã de canoagem, andar de caiaque no rio Wiesent pode ser um ótimo complemento ao passeio de trem. A adrenalina é certa na hora de saltar sobre diques de uma altura de dois metros e meio. Este rio é o único da região que permite a prática de esportes. Os outros, menores, são poupados para proteger o meio ambiente.
Na hora de descansar, a pausa merecida é regada a culinária tradicional e cerveja da região. A atração é o Biergarten, nas proximidades do açude. As salsichas são caseiras.
A maior gruta da Alemanha para apreciar estalactites e estalagmites fica na região da Suíça Francônia (Fränkische Schweiz). Sua formação aconteceu há milhões de anos.
As montanhas rochosas são ideais para escaladas. Alpinistas de todos os níveis de experiência têm a oportunidade de praticar o esporte. O importante é se divertir.
Autora: Bettina Riffel
Revisão: Francis França

CÚPULA UNIÃO EUROPEIA: Merkel defende criação de fundo solidário


Chefes de governo e estados europeus estão reunidos desde quinta-feira (18.10) na Cúpula da União Europeia, em Bruxelas, onde debatem uma união bancária e a possibilidade de um resgate financeiro para a Espanha.
Em seu discurso antes de embarcar para a Bélgica, a chanceler alemã, Angela Merkel, defendeu que o comissário europeu de finanças tenha poder de intervenção sobre orçamentos nacionais caso os países não consigam cumprir suas metas de estabilidade.
Merkel sugeriu ainda a criação de um fundo solidário para o financiamento das reformas e o fortalecimento da competitividade dos países atingidos pela crise. O fundo seria abastecido com dinheiro de impostos de transações financeiras.
Os líderes políticos ficarão reunidos até sexta-feira (19.10).

quinta-feira, 18 de outubro de 2012

BAVIERA: Castelos oferecem pernoite aos turistas


Normalmente, os turistas vão para casa após visitar um castelo. Na Baviera, o visitante pode passar também a noite. Além da rica história, os castelos atraem com acomodações exclusivas e instalações incomuns.
Quando a noite cai no castelo Burgellern, próximo à cidade de Bamberg, muitos visitantes vão dormir. Alguns, literalmente, no próprio grande salão do castelo, cujas janelas dão vista para faias de 40 metros de altura; ou num dos outros quartos, onde o hóspede sonha entre antigas paredes de pedra e móveis centenários.
Na região da Francônia, na Baviera, há muitos desses prédios históricos que, além do passeio turístico, oferecem a possibilidade de pernoite no local. Além da rica história, eles atraem com acomodações exclusivas e instalações incomuns. Internet sem fio e salão dos cavaleiros, sauna e porão abobadado já não são mais contradições em tais construções.
Na antiga sala de parto, hoje se descansa
Assim é no castelo Burgellern. Ali, o rei bávaro Ludwig 2°, quando criança, brincava sob as castanheiras. A magnífica residência campestre foi transformada mais tarde em anexo da maternidade de Bamberg. Depois disso, o castelo mudou várias vezes de proprietário, até estar prestes a desabar em 1994. Somente após a família Kastner ter adquirido o castelo em 2005, reformando-o por completo, ele voltou ao seu antigo esplendor.
Hoje, o prédio abriga um hotel, restaurante, salão de banquetes, espaços para reuniões e bar ao ar livre. "Muitas pessoas das redondezas vêm aqui porque nasceram aqui", disse o proprietário do castelo, Joachim Kastner, guiando o visitante através dos diversos cômodos.
Os retratos de antigos proprietários ilustres, que viajaram para o Oriente e empreenderam expedições extraordinárias, estão pendurados nas paredes de pedra. Sempre que possível, os novos proprietários deixam à mostra os resquícios do passado: pinturas de teto e de parede do século 19, uma escadaria magnífica de madeira, pisos originais feitos de carvalho e nogueira com desenhos de losango – um padrão típico da época barroca.
Visitas guiadas ao castelo
Cerca de 30 quilômetros a sudeste, o castelo Unteraufsess repousa pitorescamente sobre um penhasco da era jurássica. Ele ainda é propriedade da antiga família de cavaleiros imperiais dos Aufsess. Já há alguns anos, turistas podem pernoitar no local. "Nós não temos um hotel, mas abrimos as portas do castelo, em primeira linha, para casamentos e outras festas familiares", disse a baronesa Judith von Aufsess, que, com seu esposo, o barão Eckart von Aufsess, vive atualmente fora da propriedade senhorial.
O castelo ganhou sua atual aparência e seu nome em fins do século 17. Oficialmente, sua existência é mencionada pela primeira vez no século 12, mas ao longo da história o castelo sempre foi palco de confrontos militares, nos quais o prédio foi repetidamente destruído e reconstruído. Qualquer pessoa interessada na história do edifício pode contratar uma visita guiada especial. Para crianças, há um passeio guiado sobre a vida no castelo medieval.
Perto de Würzburg está o castelo Steinburg
A cerca de uma hora e meia de carro em direção oeste, encontra-se o hotel Castelo Steinburg. Como a hospedaria de maior altitude em Würzburg, ele se encontra literalmente colado à Würzburger Stein ou Pedra de Würzburg – um dos melhores vinhedos do país.
O prédio em si não é realmente antigo, ele foi construído sobre as ruínas de um castelo do século 13. Desde o início, ele foi concebido como restaurante. Em 1897, foi erguida a parte mais antiga, em estilo Tudor, como local de excursão. Em 1937, a família Bezold comprou a propriedade. Os Bezold reformaram, modernizaram e ampliaram o prédio, administrando-o hoje já na terceira geração.
Distribuídos ao longo de vários prédios interligados, encontram-se diversos cômodos mobiliados: desde antigas camas com dossel, passando por escuros nichos para camas de solteiro até quartos espaçosos com sofás-camas para várias pessoas. Salão dos cavaleiros, abóbadas e quartos com lareira contribuem para a atmosfera especial.
O número de tais castelos e palácios na região é grande. Muitos deles foram abertos à visitação pública somente poucos anos atrás. Não importa para onde olhe, o visitante tem muito que ver – pena que esses lugares sejam usados somente para dormir.

ELIMINATÓRIAS PARA A COPA: Alemanha empata com a Suécia


Com a partida praticamente ganha, a Alemanha viu a equipe da Suécia virar o jogo e empatar por 4 a 4, nessa terça-feira (16.10) em Berlim, pela quarta rodada do grupo C das eliminatórias para a Copa do Mundo do Brasil-2014.
Miroslav Klose fez os dois primeiros gols da partida, aos 8 e aos 15 minutos de jogo, Mertesacker garantiu o terceiro gol da equipe e Özil fez o quarto.
A Suécia conseguiu diminuir a diferença e, nos acréscimos, o jogador Elm empatou a partida.
Mesmo com o empate, a Alemanha continua liderando a chave C.

INTERNACIONAL: Alemanha aumenta ajuda humanitária para refugiados sírios


A Alemanha anunciou que oferecerá recursos adicionais no valor de 5 milhões de euros para ajuda humanitária na Síria e nos países vizinhos. Um dos focos é o atendimento médico dos refugiados e os preparativos para o inverno próximo. Organizações alemãs de ajuda, a Agência de Técnicos de Socorro (THW) e o ACNUR, irão fornecer aos refugiados roupas quentes, cobertores e fogões.
"O aumento dramático no número de refugiados na Síria e nas proximidades  nos causa grande preocupação. Para estas pessoas faltam muitas necessidades básicas. Com o inverno se aproximando, a situação vai se agravar ainda mais. Com estes fundos adicionais esperamos contribuir para aliviar o sofrimento. É o nosso dever para com as pessoas", destacou o Ministro das Relações Exteriores da Alemanha, Guido Westerwelle.
Com os recursos adicionais, a assistência humanitária do Governo Federal para a Síria e Estados vizinhos aumentou para 28,3 milhões de euros.
A situação humanitária na Síria continua a se deteriorar. Conforme a Agência de Refugiados da ONU (ACNUR), mais de 340 mil refugiados foram oficialmente registrados na região. Cada dia mais pessoas estão fugindo dos conflitos no país.

ALEMANHA: Governo adota novos direitos para pais biológicos


O Gabinete Federal vai reforçar os direitos dos pais biológicos que não têm relação estreita com seus filhos. O projeto, de iniciativa do Ministério Federal da Justiça, foi aprovado nesta quarta-feira (17.10). Ele é direcionado aos pais que não sejam casados ​​com a mãe de seus filhos e também aos que não reconheceram formalmente a paternidade.
Atualmente eles só têm o direito de entrar em contato com seu filho ou filha se eles já tiverem uma estreita relação com a criança. No futuro, isso não será mais relevante.
Além disso, os pais terão o direito de obter informações sobre acontecimentos pessoais de seu filho. A Ministra da Justiça, Sabine Leutheusser-Schnarrenberger, salientou em Berlim, que mesmo com esses novos regulamentos o que será levado em conta será sempre o bem-estar da criança.

1810: Primeira Oktoberfest


No dia 17 de outubro de 1810, a Baviera e sua capital, Munique, festejaram a primeira Oktoberfest de Munique, que nada tinha a ver com a multidão de turistas, enormes canecos de cerveja e o parque de diversões da atual festa na capital da Baviera. Naquela época, foi instituída uma corrida de cavalos para comemorar o casamento do príncipe herdeiro Ludwig, mais tarde rei Ludwig 1º, com a princesa Therese von Sachsen-Hildburghausen.
A festa, para a qual estavam convidados todos os moradores de Munique, aconteceu num parque longe do centro, batizado Theresienwiese, em homenagem à noiva. Lá, acontece a Oktoberfest ainda hoje, se bem que numa área maior e asfaltada.
O encerramento e ao mesmo tempo ponto alto da festa foi a corrida de cavalos, com a presença da família real da Baviera. O enorme sucesso fez com que fosse marcada outra festa para outubro do ano seguinte, e assim começou a tradição.
Na segunda edição da festa popular, foi acrescentada uma exposição agrícola à prova hípica. A intenção era prestigiar o setor primário bávaro, o que explica a presença de produtos rurais e carroças ainda hoje no desfile de abertura da Oktoberfest.
Em 1818, foi instalado o primeiro carrossel (do que hoje virou um enorme parque de diversões) e as primeiras tendas de cervejarias. Hoje em dia, já não há mais corridas de cavalos na Oktoberfest.
Muita coisa, entretanto, permaneceu e foi ampliada. Virou tradição que a maior festa da cerveja do mundo encerre no primeiro final de semana de outubro, sendo seu início marcado para exatos 16 dias antes.

PRÊMIO DA PAZ: Liao Yiwu recebe Homenagem do Comércio Livreiro Alemão

Dar voz aos perseguidos na China é o objetivo do escritor chinês. Em Frankfurt, autor foi reconhecido com o prestigiado prêmio pelo conjunto de sua obra e por sua coragem ao posicionar-se contra a opressão política.

"Esse império precisa se desfazer", repetiu mais de uma vez o escritor chinês Liao Yiwu em seu discurso de agradecimento na igreja Paulskirsche, em Frankfurt. No último domingo (14.10), o autor recebeu o Prêmio da Paz do Comércio Livreiro Alemão pelo conjunto de sua obra.

Em sua fala, Liao também criticou o Ocidente. Sob o pretexto do comércio livre, empresas agem como carrascos, alertou. Para o escritor, é equivocado acreditar que o crescimento econômico chinês implicará automaticamente reformas no país.

Enquanto Pequim gostaria de silenciá-lo, o júri do prestigiado prêmio livreiro concedeu-lhe  25 mil euros por sua coragem destemida para se rebelar "contra a opressão política". Liao dá voz os injustiçados de seu país, justificou o júri.

Além do presidente alemão, Joachim Gauck, muitas celebridades participaram da cerimônia de premiação – considerada um dos destaques da Feira do Livro de Frankfurt e tradicionalmente realizada no último dia do evento.

"Escrever é uma forma de lutar pela liberdade", disse certa vez o vencedor do prêmio. Aos 54 anos, o escritor lutou a vida toda pela liberdade na China. Nascido em 4 de agosto de 1958, ele cresceu na pobreza e logo foi considerado um talentoso poeta.

Como jovem autor e crítico da sociedade chinesa, virou alvo das autoridades e foi proibido de escrever. Liao foi condenado a quatro anos de prisão após seu poema Massacre antecipar a sangrenta repressão do movimento democrático na Praça da Paz Celestial de Pequim, em 1989.

Liao tentou mais de uma vez obter um visto para poder deixar a China. Sem sucesso. Até mesmo quando a China foi o país homenageado da Feira do Livro de Frankfurt de 2009, o escritor não pode comparecer ao evento.

Em julho de 2011, Liao decidiu fugir para poder publicar seu livro Für ein Lied und hundert Lieder (Para uma canção e cem canções, na tradução livre) – diário que relata os maus-tratos que sofreu no período vivido na prisão. Passando pelo Vietnã, ele consegue viajar para Alemanha e se estabelece na capital Berlim, onde vive até hoje.

Feira de Frankfurt

Na Feira do Livro de Frankfurt deste ano, Liao lançou o livro Die Kugel und das Opium (A esfera e o ópio, na tradução livre). Para escrevê-lo, o autor entrevistou secretamente e durante anos testemunhas oculares e sobreviventes do massacre da Praça da Paz Celestial.

Liao distanciou-se de seu conterrâneo Mo Yan, vencedor do Prêmio Nobel da Paz na quinta-feira (11.10). Mo é um "autor estatal", que representa o regime comunista, considera. Seus amigos na China perguntaram-se, tendo em vista o Nobel conquistado por Mo Yan, se o Ocidente seria uma espécie de extensão do sistema chinês.

Liao vê a sua premiação como uma obrigação especial de se posicionar contra a opressão e a violência. "Desde que fui informado sobre a decisão do júri, me engajei em diversos eventos e com diferentes apelos pela liberdade de outros", diz.

O Prêmio da Paz do Comércio Livreiro Alemão existe desde 1950. Autores de renome internacional estão entre os vencedores, incluindo Hermann Hesse e Mario Vargas Llosa.

terça-feira, 16 de outubro de 2012

Alemanha está disposta 'a princípio' a receber refugiados sírios



O ministro alemão de Relações Exteriores, Guido Westerwelle, informou nesta terça-feira (16, horário local) que a Alemanha está "disposta a princípio" a receber refugiados sírios que estão na Turquia fugindo da guerra civil em seu país, mas no âmbito de um plano internacional.

"A Alemanha está disposta, a princípio, a receber refugiados sírios", declarou ao jornal regional Rheinische Post, mas defendeu a aplicação de um plano coordenado com as Nações Unidas, a União Europeia e organizações de ajuda a refugiados.

"A grande maioria de refugiados quer permanecer na região (fronteiriça com a Turquia) para poder voltar ao seu país quando permitirem novamente as circunstâncias", comentou.

Por isso, a Alemanha põe destaque por enquanto na ajuda humanitária no próprio campo, acrescentou.


MADE IN GERMANY: Maioria dos alemães prefere produtos locais

Um novo estudo da Sociedade Alemã para a Qualidade (DGQ, na sigla em alemão) revelou que a maior parte dos alemães prefere produstos locais. Cerca de 70% dos entrevistados considera que o selo “made in Germany” é sinônimo de altos níveis de qualidade e padrões de segurança.

De acordo com o relatório, a maior parte dos consumidores procura produtos locais, sendo que 54% deles estão dispostos a pagar mais por eles. “Alemães demandam qualidade e as empresas precisam levar isso a sério”, afirmou Wolfang Kaerkes, Diretor Executivo da DGQ.

A designação “made in Germany” existe há 125 anos, mas até hoje não há requerimentos legais para o que constitui um produto “produzido na Alemanha”, apesar de o mesmo ser popularmente sinônimo de qualidade e inovação. De acordo com disposições da União Europeia, o país de origem de um determinado produto pode ser o do locsl onde o último importante passo de produção foi realizado.

DESEJO DE LIBERDADE: Guido Westerwelle inaugura exposição do Conselho Europeu em Berlim

Nesta terça-feira (16.10), ao lado do Secretário Geral do Conselho Europeu, Thorbjørn Jagland, o Ministro das Relações Exteriores da Alemanha, Guido Westerwelle, inaugurou oficialmente a mais nova exposição do do Museu Histórico Alemão: Verführung Freiheit (Desejo de Liberdade, em tradução livre).

Contando com obras de 113 artistas de 28 países europeus, a mostra apresenta como a liberdade é pintada, representada e vista desde 1945. Fugindo da representação dos dois blocos da Guerra Fria, a exposição vai além das conhecidas contradições ideológicas e políticas da época, tentando responder perguntas como “como queremos viver?”, “o que nos orienta?”, “quais são as responsabilidades da política, do governo e da sociedade no que concerne a uma vida decente?”, “o desejo de um futuro social e ambientalmente sustentável pertence aos direitos humanos?”.

Em um ciclo de 12 capítulos, Verführung Freiheit leva à discussão de tópicos como a razão, a utopia, o consumo, a violência, sustentabilidade e auto-conhecimento serão discutidas, e levanta questões fundamentais de nossa existência social. Artistas como Ian Hamilton Finlay, Fernand Léger, Damien Hirst, Armando, Tadeusz Kantor, Richard Hamilton, Boris Mikhailov, Oskar Rabin, Niki de Saint Phalle, Gerhard Richter, Aurora Reinhard, Christo, Arman, Mario Merz, Jordi Colomer, Raul Meel, Maria Lassnig, Eric Bulatov, Carlfriedrich Claus e muitos outros também provocam com seus trabalhos a reflexão sobre a própria vida.

Verführung Freiheit (Desejo de Liberdade) pode ser vista em Berlim de 17 de outubro a 10 de fevereiro de 2013. Mais informações: www.dhm.de.

"Caso terrível" acusações Tonga polícia

 O comissário de polícia de Tonga disse que os cinco policiais acusados ​​do homicídio de um policial Auckland é uma "terrível estado de coisas".

Um inspetor, quatro policiais e um detento nas celas policiais foram acusados ​​pela morte de Kali Fungavaka.

Fungavaka, que estava em Tonga para um funeral da família, foi alegadamente agredida pelo companheiro detento Semisi Kalisitiane Manu na delegacia Nuku'alofa central, depois de ser preso por embriaguez em 17 de agosto.

Ele morreu no Hospital Vaiola seis dias depois.

Manu, juntamente com o oficial encarregado da noite, o incidente aconteceu, inspetor Kelepi Hala'ufia e policiais Manu Tu'ivai, Tevita Vakalahi, Salesi Maile e Fatai Faletau são todos que enfrentam acusações de homicídio.

O comissário de polícia de Tonga Grant O'Fee disse ontem que não espera que ninguém a ser cobrado sobre a morte Fungavaka, mas não descartou a possibilidade de que a investigação de homicídios continuou.


O'Fee disse que as prisões não tinha afetado a eficácia operacional de sua força policial, mas disse notícias Matangi Tonga organização, a situação era triste.

"Tem sido um terrível estado de coisas para mim e para minha equipe a perceber que cinco de nossos colegas foram acusados ​​de homicídio culposo", disse ele.

"No final, não importa se são policiais ou não, porque eles são as pessoas que escolhemos depois de avaliar a evidência para enfrentar o julgamento sobre estas questões e é assim que deve ser."

Trabalho estava progredindo com o gabinete do Procurador Geral, uma vez que ajudou a preparar os arquivos para a acusação, disse ele.

"Temos um longo caminho a percorrer no que diz respeito a restaurar a confiança do público após o incidente, mas um passo importante é que nós colocamos o nosso próprio pessoal perante o tribunal", disse ele.

"Se eu estava presidindo uma organização policial que não tinha integridade e era totalmente corrupto não teríamos policiais enfrentam acusações em tudo."

Todos os seis acusados ​​haviam seu caso adiado até o próximo mês depois que apareceu no Tribunal do Magistrado Nuku'alofa no início desta semana.

Comissário de Direitos Humanos vai para Nauru


Novo Comissão de Direitos Humanos presidente Gillian Triggs espera inspecionar centros de processamento offshore em Nauru e Papua Nova Guiné para ver o que aguarda os requerentes de asilo enviados da Austrália.
A Comissão manifestou preocupações profundas sobre a mudança para o processamento offshore em Nauru e PNG Manus Island.
Mas o professor Triggs disse que tinha ainda para ver como ele iria trabalhar.
O comissário visitou o Natal facilidade Island e pretende obter permissão para visitar Nauru e Manus Island.
Prof Triggs disse que não havia nada sobre o processamento offshore que era contrária ao direito internacional.
"Mas certamente estamos preocupados, haverá um declínio nas condições de operação", ela disse a um estimativas Senado auditivos em Canberra na terça-feira.
"Não haverá um declínio na qualidade dos processos legais e não o nível apropriado de preocupações para as crianças, para as famílias ... os jovens."
A Comissão está preocupada que as crianças enviadas a centros offshore estaria em desvantagem por falta de acesso à educação e aos serviços de apoio.
O governo afirmou que os requerentes de asilo que chegam à Austrália de barco vai ganhar "nenhuma vantagem" sobre aqueles que procuram vêm de campos de refugiados no exterior.
O conceito de "nenhuma vantagem" não tinha significado jurídico, Prof Triggs disse.
"Ele pode adquirir um significado, mas no momento não há nenhuma referência ou média contra a qual se pode medir uma vantagem ou desvantagem", disse ela.
A comissão iria esperar para ver o que a política significa na prática antes de comentar sobre a sua conformidade com o direito internacional.

PESQUISADORES: Programa de pós doutorado com novas inscrições


A Capes e a Fundação Alexander von Humboldt, da Alemanha, lançaram um novo edital para o seu programa de bolsas para pesquisadores. Os candidatos tem até o dia 31 de janeiro para se inscrever.
As bolsas são de pós-doutorado, destinadas a pesquisadores em início da carreira acadêmica, que tenham completado seu doutorado há menos de quatro anos; e de pesquisador experiente, com foco em acadêmicos com perfil de pesquisa definido, que tenham completado seu doutorado há menos de 12 anos.
Os escolhidos terão direito a uma bolsa mensal, auxílio-instalação, auxílio-deslocamento, curso de alemão quando necessário, subsídio para dependentes e auxílio para mobilidade.
A duração da bolsa varia de 6 a 24 meses para pós-doutorado e de 6 a 18 meses para pesquisadores experientes. Neste caso a estadia poderá ser dividida em até três períodos de no mínimo três meses cada.
Mais informações e inscrições através do site:http://www.capes.gov.br/cooperacao-internacional/alemanha/capes-humboldt

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

MUNDO Turquia arrisca própria estabilidade ao se envolver em conflito sírio


Cidadãos turcos temem que a atitude de confronto do primeiro-ministro Erdogan venha a ameaçar a fase de crescimento econômico do país. Popularidade do governo está em jogo.
A Turquia reforça sua presença militar na fronteira com a Síria. Há vários dias, mais aviões de combate estão sendo estacionados na cidade de Diyarbakir, próxima à fronteira com a Síria. O número de tanques também sobe, e diariamente ocorrem incidentes fronteiriços. As tropas turcas reagem com fogo de artilharia às contínuas explosões de morteiros em solo turco, lançadas do lado da Síria. Não há informação sobre feridos pelas explosões. Mas no dia 3 de outubro, duas mulheres e três crianças foram mortas por bombardeios sírios na cidade fronteiriça turca de Akcakale. Um dia depois, o Parlamento em Ancara concedeu ao governo turco um mandato para intervir militarmente na Síria, se considerar necessário.
A situação se deteriorou ainda mais quando na quarta-feira (10/10) um avião de passageiros da Síria que ia de Moscou para Damasco foi interceptado por caças turcos e obrigado a aterrissar em Ancara. De acordo com o primeiro-ministro turco, Recep Tayyip Erdogan, foram encontrados a bordo "materiais militares". Enquanto o ministro do Exterior russo, Sergei Lavrov, alegou que o avião estava fazendo uma entrega "totalmente legal" de peças de radar e disse que a empresa russa que enviou as peças para a Síria vai exigir da Turquia o retorno da carga apreendida.
Na sexta-feira, houve mais um incidente. De acordo com oficiais turcos, um avião de caça da Força Aérea turca rechaçou um helicóptero sírio que tinha se aproximado da fronteira.
Beco sem saída
O pouso forçado do avião de passageiros da Síria piorou as relaçções entre Turquia e Rússia. A Rússia apoia as autoridades sírias. Já o primeiro-ministro turco se distanciou muito cedo de Assad. "A Turquia calculou que talvez levasse de dois a três meses até que o regime de Assad caísse", explica Günter Seufert, especialista em Turquia do Instituto Alemão de Assuntos Internacionais e de Segurança, em Berlim. "Mas como não recebeu do Ocidente nenhum apoio expressivo, o país percebeu que estava manobrando para um beco sem saída."
No começo de 2011, quando o presidente sírio, Bashar al Assad, reprimiu por meio da força as inicialmente pacíficas manifestações em seu país, a Turquia rapidamente abriu suas fronteiras aos sírios. E o afluxo de refugiados não para. Só na sexta-feira, de acordo com a agência de notícias turca Anadolu, quase 600 refugiados chegaram no país, incluindo dois generais do exército sírio. Até agora, há 93 mil sírios nos campos de refugiados, e a Turquia não pretende acolher mais de 100 mil.
O primeiro-ministro Recep Tayyip Erdogan pede o estabelecimento de uma zona de proteção ao longo da fronteira e de corredores para auxílio humanitário, tendo buscado o apoio de seus aliados ocidentais para resolver a questão. A Otan, por sua vez, salientou novamente sua solidariedade inquebrantável, e confirmou que, se necessário, a Aliança apoiaria a Turquia num conflito contra a Síria ─ mas o secretário-geral da Otan, Anders Fogh Rasmussen, ressaltou que um pedido de ajuda militar de Ancara conforme os termos do artigo 5º da Carta da Otan é uma possibilidade "hipotética" e que o conflito com Síria só pode ser resolvido politicamente.
Apoio aos rebeldes
Assim, o envio de armamentos a partir do território da Turquia continua a ser o principal apoio para os rebeldes sírios. Os oponentes de Assad do Exército Livre da Síria conseguiram, com isso, colocar sob seu controle uma faixa de fronteira de cerca de 20 quilômetros adentro no lado sírio, incluindo algumas passagens de fronteira com a Turquia. A população dessas áreas deixou a região, o comércio está fechado. Munição e até mesmo pão e água têm que ser buscados na Turquia. Seus feridos são tratados do lado turco, porque as rotas de abastecimento vindas da Síria estão bloqueadas pelas tropas de Assad, segundo relatos de um jornalista turco que prefere não ser identificado.
O centro do abastecimento dos rebeldes com equipamento militar é Antakya, capital da província meridional turca de Hatay. A província pertenceu até 1939 à Síria, então sob domínio francês. De acordo com informações do jornal britânico The Guardian, na cidade se encontram negociantes de armas vindos de Qatar, Arábia Saudita e Líbano. Dali ocorreram, em meados deste ano, os últimos grandes carregamentos de armas para os rebeldes. De lá para cá, o suprimento é suficiente apenas "para resistir, mas não para vencer", afirmou um comandante rebelde citado pelo jornal inglês.
Nesse meio tempo, são grandes os temores de que bazucas, rifles de assalto e munição caiam nas mãos de militantes islâmicos. Por isso, funcionários da Agência Central de Inteligência (CIA, na sigla em inglês), dos EUA, controlam a distribuição das armas e já estabeleceram contatos com opositores moderados do regime, segundo o New York Times. Este desenvolvimento preocupa Günter Seufert, do Instituto Alemão de Assuntos Internacionais e de Segurança. "É perturbador que soldados do Exército dos EUA tenham chegado à Jordânia e à Turquia para dar assessoria aos refugiados, mas também estejam realizando treinamento militar." O especialista vê isso como uma possível causa de agravamento do conflito.
A maior parte da opinião pública turca não concorda com a posição de seu primeiro-ministro diante do conflito com a Síria. Pela primeira vez em seus dez anos no cargo, Erdogan tem a maioria dos eleitores contra si. A metade deles tinha votado em seu partido nas eleições parlamentares do ano passado. O AKP deu estabilidade ao país. Desde então, a Turquia goza de altas taxas de crescimento e está entre as 20 maiores economias do mundo. Uma grande parcela da população conseguiu uma modesta prosperidade. Mas os cidadãos turcos temem que a atitude de confronto de Erdogan venha a pôr tudo a perder.
Autora: Gabriele Ohl (md)
Revisão: Francis França