sábado, 2 de julho de 2011

Palmeira Jerivá muito comum nas cidades


As palmeiras ou coqueiros, como são popularmente conhecidas, são da família Aracaceae, compreendem 207 gêneros e 2.675 espécies. Só na Mata Atlântica ocorrem 40 espécies de Palmeiras, sendo que muitas dessas são endêmicas, ou seja, só ocorrem nesse bioma.

O Syagrus romanzoffiana (Cham.) Glassman ou coqueiro-jerivá, como é conhecida popularmente, ocorre na Mata Atlântica desde o sul da Bahia, Espírito Santo, Minas Gerais e Goiás até o Rio Grande do Sul e Mato Grosso do Sul.

Devido ao conjunto de suas características botânicas, constituem grupo vegetal muito peculiar, além de possuírem grande valor ornamental, econômico e nutricional.

Estudos descrevem que os frutos de Palmeiras são utilizados por uma ampla variedade de animais como papagaios, periquitos, jacus, tucanos, morcegos e primatas. Os frutos também são importantes na dieta alimentar do esquilo, ele faz a abertura dos cocos da palmeira, segurando com as mãos, enquanto come.

Os frutos do coqueiro-jerivá também são muito apreciados pelo humano, principalmente pela criançada, sendo uma lembrança comum no interior, a quebra dos coquinhos. Eles eram deixados para secar e depois abertos com pedras para retirar a amêndoa.

Não se pode deixar de lembrar também as brincadeiras com as “canoas” feitas com as grandes brácteas secas dos coqueiros e que eram usadas para descer os pastos íngremes, que viravam verdadeiras pistas de corrida. Tudo isso, claro, com direito a tombos e cambalhotas, mas certamente com muita diversão.

O jerivá tem entre 10 e 15 metros de altura, e frutifica durante todo o ano, porém com pico de maturação entre fevereiro e agosto. Suas folhas são grandes, de cor verde intenso, com até 4,0 m de comprimento. Desde o sul até o centro-oeste do Brasil, é a palmeira mais freqüente na natureza e em cultivo, sendo uma das espécies de palmeiras indicadas para a produção de palmito, podendo ser utilizado em plantios comerciais e também no enriquecimento de florestas secundárias.

No Viveiro de Mudas Nativas Jardim das Florestas, o coqueiro-jerivá é produzido com objetivo de plantios de embelezamento de propriedades e paisagens e restauração de áreas degradadas.


Nome científico: Syagrus romanzoffiana (Cham.) Glassman
Família: Arecaceae
Coleta de sementes: diretamente da árvore quando começar a queda espontânea dos frutos ou recolhê-los do chão.
Época de coleta de sementes: Fevereiro a agoto.
Fruto: Amarelo, em cachos onde cada fruto tem aproximadamente 2 cm.
Flor: Amarela
Crescimento da muda: Médio
Germinação: Demorada, a partir de seis a oito meses.
Observação: A semeadura desta espécie é feita através de pré-germinação em canteiros com serragem.
Plantio: Mata ciliar, área aberta, solo degradado.





A diversidade de frutas do Brasil

                                   A diversidade de frutas do Brasil

Morador do Brasil há 28 anos, o historiador norte americano Matthew Shirts ficou impressionado com a variedade de frutas que Entrevista com Matthew Shirts/historiador:
" Hoje em dia você encontra qualquer coisa em qualquer lugar do mundo, pelo menos nos centros mais ricos. Naquele tempo não. Eu não conhecia frutas como Mamão, Manga, não conhecia a imensa variedade de Bananas que existe no Brasil. Nos Estados Unidos só tem uma Banana. Aqui tem a Prata, a Ouro, a Maçã. E o Abacate que nos EUA é comida salgada, na Califórnia, de onde eu vim, onde se segue a tradição mexicana e chilena, aqui é comido doce".
Redator chefe da Revista National Geographic e colunista de jornal, Shirts escreveu um artigo bem humorado sobre a relação dos brasileiros com as frutas. Sem nenhum constrangimento, falamos das que prendem e soltam o intestino.
Entrevista com Matthew Shirts/historiador:
" Eu comecei a pensar que esse saber popular faz parte do tecido mesmo da cultura brasileira. É uma cultura antiga, acredito, repassada pelas mães. Eu gosto muito de fruta, como muita fruta, descobri algumas coisas não pela cultura popular, mas pela cultura científica, numa revista científica: maçã acorda e prende. E passei a usar nesse sentido".
O Brasil é um dos países mais ricos em biodiversidade do mundo e por isso temos aqui várias espécies de frutas nativas como o Abacaxi e a Goiaba. Mas outras como O Mamão, a Laranja e a Mexerica se adaptaram tão bem ao nosso clima que já fazem parte da mesa do brasileiro e de todas elas se pode tirar vantagens para a saúde".
Que o diga a nutricionista Anita Sachs, professora do departamento de Medicina Preventiva da UnifEsp, a Universidade Federal de São Paulo.
Entrevista com Anita Sachs/ nutricionista :
" As frutas são importantes tanto na prevenção como no controle de algumas doenças, do bem star, da saúde em geral e nós podemos dizer que a melhor fonte de vitamins, minerais e fibras está na feira. É o lugar onde se deve adquirir essas substâncias e não na farmácia.
Naõ só frutas cítricas como a mexerica e o limão contém vitamina C.
Entrevista com Anita Sachs/ nutricionista :
"A Goiaba é riquíssima em vitamina C e ela contribui, assim como a Manga, a Mexerica, a Laranja, o Mamão, o Caju, a Acerola, para a prevenção de doenças cardiovasculares e alguns outros tipos de infecção porque elas contribuem para evitar a formação de radicais livres. Também são importantes na prevenção de certos tipos de câncer".
Frutas são importantes fontes de fibras.
Entrevista com Anita Sachs/ nutricionista :
"Dentre as insolúveis temos as presentes na Manga, Mexerica, Laranja, Figo, que contribuem para prevenir ou mesmo tratar o intestino preso, comum na nossa população pela falta de ingestão de fibras."
O brasileiro come pouca quantidade de frutas. Cerca de 2% do total de calorias diárias, quando o ideal seria um pouco mais de 10%. A Organização Mundial de Saúde recomenda o consumo de cinco unidades ou fatias de frutas por dia.

Cientistas pesquisam as causas do desaparecimento de colônias de abelhas no mundo todo

Cientistas pesquisam as causas do desaparecimento de colônias de abelhas no mundo todo.


20 mil espécies de abelhas foram descritas no mundo nas américas 400 são conhecidas. Um grave problema no mundo é a redução das populações de abelhas que desenvolvem importante trabalho de polinização das plantas.Em alguns lugares da Europa e Estados Unidos as abelhas estão sumindo.O CNPQ encomendou um levantamento para especialistas sobre a situação das abelhas no Brasil. O estudo deve orientar políticas públicas,o documento deve ser entregue neste mês de abril.
Setenta e cinco por cento das espécies vegetais da terra que precisam de polinização por insetos e animais recebem a ajuda das abelhas. A procura de alimento , elas transferem o pólen de uma flor para outra e assim fecundam as plantas.No apiário no campus da Universidade de São Paulo, o biólogo Tiago Francoy estuda as abelhas nativas também conhecidas como indígenas.No país existe em uma grande diversidade de espécies de abelhas.
Entrevista com Tiago Francoy -biólogo da escola de artes, ciências e humanidades da USP/apiário do Instituto de Biociências da USP:
"No Brasil,em torno de duzentas e pouqinho a gente tem a estimativa que esse número pode ser muito maior. Esse tipo de abelha não produz mel,mas como são 95% da diversidade da abelha mundial, elas são algumas das principais polinizadoras. Essa polinização por abelhas é responsável por trinta por cento da produção de alimentos mundial."
Esta colméia de jatai , espécie sem ferrão, pode abrigar até vinte mil abelhas.
Entrevista com Tiago Francoy -biólogo da escola de artes, ciências e humanidades da USP/apiário do Instituto de Biociências da USP:
"O trabalho de polinização aumenta não só a quantidade mas a qualidade,que geralmente são maiores ou dependendo do tipo de fruto tem mais semente.um gosto melhor."
A população de abelhas está diminuindo na Europa e Nos Estados Unidos em média trinta por cento ao ano.No Brasil ,o problema começa a preocupar os cientistas.
Entrevista com Tiago Francoy -biólogo da escola de artes, ciências e humanidades da USP/apiário do Instituto de Biociências da USP:
"Agora esses relatos principalmente na região sul do país tem aumentado um pouco.Só recentemente que a gente tem um grupo da Unesp de Rio Claro que está começando.Um estudo sobre doses subletais desses agrotóxicos,então ela não mata a abelha adulta,mas ele contamina o pólen. Com esse pólen ela alimenta os individus mais jovens,as larvas."
O desaparecimento das abelhas pode ser provocado por várias causas.Entre as princiipais está o uso abusivo de inseticidas nas plantações.E também o desmatamento que leva a destruição do habitat das colônias.O risco é perder o serviço que as abelhas prestam de graça.
Uma das soluções para manter as abelhas por perto é investir na atividade agroflorestal que conservar a mata próxima da lavoura.

Reserva Particular de Cerrado, no interior de Goiás, resiste ao garimpo e ao avanço da soja

Reserva Particular de Cerrado, no interior de Goiás, resiste ao garimpo e ao avanço da soja.

Arbustos com troncos retorcidos, de casca grossa em meio a um tapete de gramíneas que favorece a propagação do fogo. Apaisagem do cerrado criou o mito de um bioma pobre. puro engano, confirma a engenheira florestal Maysa Guapyassú. Ela trabalha na Fundação o Boticário de proteção à natureza que conserva uma reserva particular do patrimônio natural ao norte de Goiás ,em pleno cerrado:.
Entrevista com Maysa Guapuassú-engenheira florestal da Fundação O Boticário:
"O bioma cerrado, ele tem desde florestas, vegetação ciliar, florestas ciliares, florestas de vale ou de galerias, ele tem campos limpos, só de gramíneas, ele tem o que chama de campos sujos com pequenos arbustos, tem o cerrado ralo, o que a gente chama de cerrado parque ou savana parque que é um campo com algumas árvores esparsas stricto sensu que a gente chama que o cerrado que deu nome à formação.A gente tem o cerradão de porte maior."
O mosaico de formações vegetais é a chave da biodiversidade.Uma riqueza traduzida em números:cerca de dez mil espécies diferentes da flora, mais de quarenta porcento delas nascem exclusivamente no cerrado.Há explicação para este alto grau de endemismo:
Entrevista com Maysa Guapuassú-engenheira florestal da Fundação O Boticário:
"Eu preciso de espécies para se adaptarem à quantidade imensa de alumínio que tem no solo, ao regime de fogo que é comum.O fogo é um elemento de mudança e ele alterou a evolução do cerrado. As espécies tem que resistir a este fogo, tanto que algumas espécies evoluiram para as sementes só germinarem depois do fogo passar, precisam do fogo para a semente germinar."
O cerrado brasileiro é considerado a savanas mais rica do mundo.No Brasil, é a segunda maior formação vegetal depois da floresta amazônica.A área originária de mais dois milhões de quilômetros quadrados que ocupa principalmente a região central do país , está sendo literalmente apagada do mapa pela ação do homem.No município de Cavalcante, em Goiás, quase divisa com o Tocantins a terra é revolvida em busca de jazidas de minérios.
Uma das grandes ameaças ao cerrado, é o garimpo, a mineraçào. Além do garimpo,em Goiás,tem muitas outras pressões:
Entrevista com Maysa Guapuassú-engenheira florestal da Fundação O Boticário:
"O que resta do cerrado em Minas está indo embora para alimentar siderúrgica, e o eucalipto veio em cima e aí em Goiás foi mais ou menos a mesma coisa só que invés de eucalipto, veio a soja então a gente tem muita pouca área de cerrado".
Não há consenso sobre o quanto se perdeu do bioma.O governo federal fala em mais de quarenta por cento, alguns pesquisadores em cinquenta , outros já calculam em quase setenta por certo de perda.
Para Maysa a única maneira de proteger o resta do bioma é criar unidades de conservação:sejam elas particulares ou públicas.

lixo nuclear

Suécia constrói depósitos de lixo atômico debaixo do oceano

O depósito de Foshmark é considerado um dos mais seguros do planeta. Ele fica em um túnel, 50 metros abaixo do fundo do mar, no coração de uma rocha de 1,9 milhão de anos.

Toda usina nuclear produz um lixo radiativo. Essa é um das maiores preocupações dos ambientalistas e das autoridades de países que usam energia atômica para produzir eletricidade. Os enviados especiais do Jornal Nacional à Suécia, Marcos Losekann e Sérgio Gilz, conheceram uma solução de engenharia para esse problema.
Um depósito de lixo, muito além do fundo do mar. Se uma lâmina de apenas 50 centímetros de água já é considerada segura para evitar a propagação de radioatividade, imagine então com mais de 300 metros de água em cima.
O depósito de lixo atômico de Foshmark é considerado um dos mais seguros do planeta. Fica em um túnel, 50 metros abaixo do fundo do mar, no coração de uma rocha de 1,9 milhão de anos de existência. É um material tão duro quanto o aço e tão isolante quanto o chumbo. Nele, todo o lixo atômico produzido na Suécia está sendo sepultado para sempre.
Dentro da rocha e, ainda por cima, coberto por uma camada de um metro de concreto. São 100 toneladas de lixo atômico por ano. O material é levado em contêineres por caminhões especiais. Tudo automatizado para evitar contaminação.
O depósito definitivo deu tão certo que os suecos decidiram ir ainda mais fundo: um túnel 10 vezes maior já está sendo escavado. Serão 500 metros abaixo do fundo do mar. O objetivo será vender espaço para que outros países também possam se livrar de seu lixo atômico.
Segundo a responsável pelo projeto, além de ter o solo livre do risco de terremotos, Foshmark fica bem atrás de uma ilha, em uma baía considerada à prova de tsunamis. Mas o melhor de tudo, diz ela, é que o projeto foi aprovado por 80% da população local, de olho nos investimentos que serão atraídos para lá: o equivalente a R$ 500 milhões, ‘energia econômica mais que bem-vinda em um município de apenas 6 mil habitantes.
O único problema que com o tempo isso vai sobrecarregando o sistema não do do local mais num futuro pr´ximo de trazer problemas para vida local com o tempo a erosão da própria natureza faz que ainda a instalação não seja tão segura como os especialistas afirma mas ja é um bom começo para que não tenha contato tão direto com a vida terrestre.

celular ecológico Nokia


A Nokia Corporation (pronúncia em finlandês: [ˈnɔkiɑ], nóquia) é uma empresa finlandesa de telecomunicações, líder mundial na fabricação de aparelhos, de um modo geral, para comunicações móveis, com aproximadamente 40% do mercado de telecomunicações em 2007. Ela produz telemóveis nos padrões GSM, TDMA e WCDMA (UMTS). E até o início de 2006, a empresa produzia aparelhos CDMA.

O celular Nokia 3710 é um celular ecológico é que  o nosso meio ambiente esta precisando, de que  cuidemos com mais amor dele, simplesmente porque nós somos parte do nosso planeta e sem ele como poderemos sobreviver, estamos cansados de ouvir notícias de desastres e como não nos preocupar com o nosso futuro?Ele é feito de 60% de material reciclado e é 80% reciclável ele ajuda a cuidar do meio ambiente pois seus conteúdos e seus serviços são ecológicos, confira abaixo:

- Eficiência de energia:
- Lembrete para tirar o carregador da tomada
- Carregador de alta eficiência Nokia AC-8
- Materiais:
- Não contém PVC
- Não contém níquel na superfície do produto
- Reciclagem: o aparelho é até 80% reciclável
- Embalagem:
- Feito com até 60% de material reciclado
- Embalagem de tamanho reduzido

Vale a pena lembrar que os países Nórdicos são exemplos de tecnologias inovadoras com fundamentos de proteção ao meio ambiente.

Per Capita do Brasil pode chegar a 12 mil US$ este ano


Renda per capita brasileira pode superar os US$ 12 mil este ano

Com esse resultado, País pode ultrapassar a média mundial de US$ 11,2 mil de renda per capita até dezembro



A economia brasileira está próxima de alcançar a marca de US$ 12,5 mil (R$19.706) de renda per capita em 2011, segundo projeções eleboradas com base nos dados oficiais do Produto Interno Bruto (PIB) divulgados nesta sexta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
Isso significa que o Brasil deve ultrapassar a média mundial de US$11,2 mil de renda per capita e ganhar oito posições no ranking mundial de PIB per capita do Banco Mundial. No ano passado, o País alcançou uma renda per capita que superou a marca de US$ 10 mil.

O Brasil ocupa atualmente a 104ª posição e deve saltar para o 92º lugar até o fim do ano, superando países como Sérvia, Irã, Romênia e Turquia. O indicador de renda per capita é resultado da divisão entre as riquezas produzidas por um país e sua população.
As mudanças estruturais na economia do País com o fortalecimento da classe média, a redução de forma mais acelerada da pobreza e o aumento real do salário mínimo, que ampliou o poder de compra das famílias, devem contribuir para consolidar o ritmo de expansão econômica de forma sustentada, a exemplo do que aconteceu em décadas passadas com alguns dos principais países desenvolvidos como Estados Unidos e Japão.
A expectativa do governo e dos analistas é que o País alcance um crescimento de 4,5% este ano. Apesar de ser um desempenho mais modesto na comparação com o forte resultado de 7,5% apresentado em 2010, o ponto positivo segundo os especilalistas é o fato de que o crescimento da economia em 2011 se dará sobre uma base forte e mais consolidada.
Em 2009, o PIB per capita do Brasil atingiu R$ 16.414. O dado oficial referente a 2010 ainda não foi divulgado pelo IBGE. O instituto aguarda a consolidação dos dados populacionais do último Censo, realizado no ano passado.

Dolar em Queda no Brasil

Dólar fecha a R$ 1,558, menor valor em mais de 12 anos



A cotação do dólar comercial fechou em baixa de 0,26% nesta sexta-feira (1º), a R$ 1,558 na venda. Com isso, a moeda norte-americana tem o menor valor desde janeiro de 1999, seguindo o maior apetite por risco no exterior e a expectativa de um aumento mais prolongado dos juros, no primeiro dia do novo cálculo da Ptax (taxa de referência do câmbio).
É a quinta queda seguida do dólar. No ano, a desvalorização já chega a 6,48%.

Apesar da definição da Ptax na metade do dia, o mercado continuou funcionando normalmente durante a tarde, embora com volume reduzido.
A Ptax, calculada pelo BC e usada como referência para contratos futuros e outros derivativos, agora é uma média aritmética feita a partir de consultas com os principais bancos do mercado. Até quinta-feira, era uma média ponderada por volume de todas as operações de câmbio à vista.
Profissionais de mercado previam uma redução do volume, principalmente por causa de uma diminuição da liquidez no mercado de "casado", em que as operações são combinadas com negócios no mercado futuro.
Operadores ressaltaram, no entanto, que o feriado de segunda-feira nos Estados Unidos também contribuiu para enfraquecer os negócios durante a tarde.
De acordo com o operador de uma das principais corretoras que operam "casado", o volume nesse segmento foi de cerca de US$ 1,3 bilhão, abaixo da média anterior de US$ 2 bilhões.
Mas, na opinião de Jorge Knauer, diretor de tesouraria do Banco Prosper, o novo método para calcular a Ptax não foi o responsável pela quinta queda seguida do dólar.
"A gente teve Bolsa subindo... um aumento substancial na curva mais longa dos juros futuros, e de forma geral um ambiente positivo lá fora", disse à Reuters.
O aumento dos juros futuros acontece após o Relatório de Inflação do Banco Central, que na quarta-feira levou analistas a revisarem para cima projeções para a alta da Selic em 2011.
Já a alta das Bolsas, ainda em consequência do alívio com a situação na Grécia, foi impulsionada pela surpresa positiva com os dados do setor manufatureiro dos Estados Unidos.